notícias

Algodão: do campo à passarela da moda
27 de Março de 2024

O importante papel da cotonicultura brasileira no cenário global como produtora e exportadora de algodão responsável foi um dos temas destacados pelo diretor executivo da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), Marcio Portocarrero, durante sua participação no Podcast Pé no Barro. O programa foi gravado na 34ª Abertura Oficial da Colheita do Arroz e Grãos em Terras Baixas, em Capão do Leão (RS). Confira a entrevista completa no link abaixo. Assista aqui

Unidades certificadas pelo ABR-UBA beneficiam 62% do total de pluma produzida na safra 2022/2023
27 de Março de 2024

As Unidades de Beneficiamento de Algodão (UBA) são o primeiro elo industrial da cotonicultura. É nessas indústrias, em sua maioria, situadas na própria fazenda, que a fibra do algodão é separada do caroço e dos demais subprodutos, e a pluma é prensada e enfardada para seguir seu caminho para o mercado, seja o doméstico ou o internacional. Desde 2021, a Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa) estendeu às UBAs o seu programa de certificação socioambiental Algodão Brasileiro Responsável (ABR), criando o ABR-UBA. O programa é voluntário e preconiza o aumento progressivo das boas práticas sustentáveis de beneficiamento dentro dessas unidades, tendo como base o cumprimento das legislações e normas específicas para esse tipo de atividade. Na safra 2022/2023, dos 3,27 milhões de toneladas de algodão beneficiado, dois milhões de toneladas foram processadas em UBAs certificadas pelo programa ABR-UBA. Isso corresponde a 62% do montante. “Este é um sinal claro do engajamento do produtor brasileiro de algodão ao conceito da sustentabilidade, e ao programa de certificação, que não é obrigatório, mas que, a cada ano, ganha mais adeptos”, afirma o presidente da Abrapa, Alexandre Schenkel. No Brasil, 99 UBAs, distribuídas em oito estados, foram certificadas pelo programa socioambiental. Elas correspondem a 42% do total de “algodoeiras” existente no país, e foram atendidas por sete das nove associações estaduais filiadas à Abrapa: Abapa (Bahia), Agopa (Goiás), Ampa (Mato Grosso), Ampasul (Mato Grosso do Sul), Amapa (Maranhão), Amipa (Minas Gerais) e Apipa (Piauí). O estado com o maior número de UBAs certificadas é Mato Grosso, com 57, seguido pela Bahia, com 25. Esses estados são, respectivamente, primeiro e segundo maiores produtores nacionais de algodão. Foco no trabalhador Com forte atenção para o pilar social, o protocolo também inclui atendimento às normas regulamentadoras, como a NR-10, NR-13 e NR-23, que tratam da parte elétrica, vasos de pressão e prevenção de incêndios, respectivamente. Saúde e bem-estar do trabalhador, e, sobretudo, sua segurança no ambiente de trabalho, com redução de riscos de acidentes e doenças laborais são pontos cruciais embarcados na certificação ABR-UBA. Na safra 2022/2023, somadas, as UBAs certificadas geraram 11.407 empregos diretos e formais. Processos eficientes O ABR-UBA introduz práticas que auxiliam também na gestão eficiente e padronização dos processos, como cuidados para evitar a contaminação dos fardos, garantindo a integridade daqueles armazenados, além de promover a padronização de tamanho e peso dos fardos de pluma. O cumprimento desses requisitos possibilita o início de um processo de melhoria contínua nas usinas, com o objetivo de estabelecer um padrão de qualidade para os fardos brasileiros. Auditoria de terceira parte As UBAs aderem ao programa passam por auditoria, feita por empresas habilitadas para este fim, de terceira parte. Essas auditorias são conduzidas anualmente, por certificadoras com acreditação internacional, para garantir a conformidade com o protocolo. Na safra 2022/2023, as empresas responsáveis foram a ABNT e a Genesis Certificações. O protocolo ABR possui 170 itens obrigatórios que precisam ser verificados. “Ainda há algodoeiras que estão recebendo o suporte técnico das associações estaduais que, apesar de ainda não terem conseguido a certificação, já estão promovendo melhorias no seu sistema de gestão, graças ao programa ABR UBA”, informa o presidente da Abrapa. Link para acesso ao relatório: https://abrapa.com.br/wp-content/uploads/2024/03/Relatorio-da-safra-2022.2023-ABR-UBA.pdf Imprensa Abrapa Catarina Guedes – Assessora de Imprensa (71) 9 8881 – 8064 Monise Centurion – Jornalista Assistente (17) 99611-8019

Abrapa marca presença na 5ª Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação
27 de Março de 2024

Na última terça-feira, 26, Silmara Ferraresi, diretora de relações institucionais da Abrapa e gestora do movimento Sou de Algodão, marcou presença na Conferência Livre da 5ª Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação, promovida pela Fundação Bunge, em São Paulo. O evento contou com a participação da Abrapa no Painel 2, na parte da tarde, que falou sobre “Como a Ciência e a Tecnologia podem colaborar com a Rastreabilidade no Setor Produtivo”. A executiva levou o case de rastreabilidade do algodão brasileiro do SAI Programa SouABR. Silmara começou falando sobre o pioneirismo, já que a Abrapa tem um pilar de rastreabilidade que abrange de ponta a ponta da cadeia têxtil. “Começamos com o SAI, em 2004, fomos aprimorando a rastreabilidade e agregando outros atributos como as certificações socioambientais da fazenda, unidade de beneficiamento e de qualidade. Em 20019, nos aventuramos, com a cadeia têxtil, a pensar na rastreabilidade sob as demandas crescentes por mais transparência nos processos de compra, venda e consumo. Em 2021, nasceu SouABR e sua proposta é oferecer ao público uma espécie de ‘raio-x’ da peça que está adquirindo, comunicando os passos que o algodão com certificação socioambiental percorreu até chegar nas mãos do consumidor”, explica. O SouABR estimula escolhas mais conscientes, demonstrando que o algodão presente naquela peça de roupa tem certificação socioambiental pelo programa ABR (Algodão Brasileiro Responsável). Ao todo são 183 itens de verificação distribuídos em oito critérios: contrato de trabalho; proibição do trabalho infantil e proibição do trabalho análogo a escravo, indigno ou degradante, conforme obrigatoriedade; liberdade de associação sindical; proibição de discriminação de pessoas; segurança, saúde e meio ambiente do trabalho rural; desempenho ambiental; e boas práticas agrícolas. Para Silmara, o programa está pavimentando o caminho para uma indústria têxtil mais ética, transparente e responsável no Brasil, demonstrando que a moda e o consumo conscientes podem andar de mãos dadas. “É preciso que toda a cadeia têxtil tenha um comprometimento, e o desafio de SouABR não é numérico, de entregar peças rastreadas e de mostrar o certificado das fazendas. É mostrar o que fazemos de melhor, dentro do país, evidenciando o comprometimento que temos com as pessoas e com os trabalhos que geramos”, declarou. Os números do Programa SouABR  Silmara destacou que fizeram parte do Programa SouABR, em 2023, 54 produtores e 60 fazendas, com um total de 8.884 fardos rastreados, face a 25 produtores, 32 fazendas e 12.606 fardos rastreados em 2022. No total, em 2022 e 2023, foram quase 21,5 mil fardos rastreados produzidos pelas fazendas e mais de 127 mil peças rastreadas nas prateleiras das varejistas. A Reserva, primeira a disponibilizar no mercado, já conta com 105.284 peças rastreadas, desde outubro de 2021, data do lançamento do programa. A Renner tem 6.736 peças, desde maio de 2022, e a C&A, 7.830 peças desde maio de 2023. A Abrapa acredita que a preferência por algodão certificado e rastreável demonstra um compromisso não apenas com a qualidade dos produtos, mas com todo um cenário de responsabilidade socioambiental e transparência na indústria têxtil. “Trabalhar em prol de um impacto cada vez mais positivo, garantindo relações de trabalho justas e produção responsável, é crucial para nos mantermos de pé como uma marca adequada ao nosso tempo”, afirmou. O organizador do evento e a Conferência  A Fundação Bunge foi criada em 1955 e atua em diferentes frentes com o propósito de valorizar as pessoas e o conhecimento. Para isso, contribui para o desenvolvimento sustentável por meio de ações que valorizam o avanço da ciência, a educação e a conservação dos recursos naturais. Já a 5ª Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (CNCTI), é um evento do Governo Federal, promovido pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. O objetivo é viabilizar um espaço de diálogo, envolvendo diferentes atores da sociedade. A 5ª CNCTI tem como tema "Ciência, Tecnologia e Inovação para um Brasil Justo, Sustentável e Desenvolvido" e está prevista para acontecer em junho de 2024.

Abrapa enfatiza a importância do Programa de Qualidade do Algodão Brasileiro em reunião preparatória para evento na China
26 de Março de 2024

A importância do reconhecimento da China ao Programa de Qualidade do Algodão Brasileiro (PQAB), fazendo com que o gigante oriental dispense as retestagens da pluma nacional no destino, foi uma das mensagens-chave da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), na reunião preparatória para a VII Sessão Plenária da Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (Cosban), realizada nesta quinta-feira (21), na sala San Tiago Dantas, no Palácio Itamaraty, em Brasília, com participação dos diversos setores econômicos brasileiros. Na ocasião, a Abrapa foi representada pelo seu vice-presidente, Paulo Sergio Aguiar, e pelo diretor executivo, Marcio Portocarrero. A Cosban é o mais elevado mecanismo institucional de cooperação entre o Brasil e a China e compreende 11 subcomissões temáticas.  Seus membros estarão reunidos na VII Sessão Plenária, que ocorrerá na China, nos dias 05 e 06 de junho próximo, tendo o vice-presidente do Brasil, Geraldo Alckmin, na co-presidência do evento, juntamente com o vice-presidente da República Popular da China, Han Zheng. Alckmin participou do encontro preliminar, organizado pela embaixadora Maria Laura da Rocha, Secretária Geral de Relações Exteriores do Brasil. “Foi uma reunião muito organizada e proveitosa, onde cada setor representado teve a oportunidade de elencar suas demandas de forma bem objetiva. Os cotonicultores reforçaram a importância do Programa de Qualidade, que é a ‘certificação oficial’ do algodão brasileiro. O reconhecimento da China ao PQAB representará uma grande economia de tempo para a chegada do nosso algodão ao destino, naquele mercado”, argumentou o vice-presidente da Abrapa, Paulo Aguiar, destacando que, atualmente, a China testa novamente no destino todo o algodão que chega do Brasil. “Nos últimos anos, investimos muito em qualidade de resultados dos nossos laudos de HVI, com a criação do programa Standard Brasil HVI (SBRHVI), e criação de um laboratório central para parametrizar e checar as análises de algodão.  Com a entrada do Ministério da Agricultura chancelando os processos, após uma série de treinamentos de inspetores e técnicos de laboratórios, isso ficou ainda mais rigoroso. Nossos laudos são precisos e atendem aos padrões internacionais. Se forem aceitos como suficientes, ganhamos tempo numa logística que é muito mais longa do que a do nosso maior concorrente, os Estados Unidos”, disse Aguiar. O vice-presidente da Abrapa enfatiza a importância do estreitamento de laços com o gigante oriental, que hoje é o terceiro maior mercado de vestuário do mundo, mas é o maior consumidor mundial de algodão. A cada ano, a China consome por volta de 7 a 8 milhões de toneladas de pluma, das quais 2,4 milhões são importadas. “O país é o principal destino do algodão brasileiro, mas nós ainda somos o segundo lugar no ranking entre as origens do algodão que a China importa, depois dos Estados Unidos, e estamos trabalhando para sermos os primeiros do pódio”, concluiu Paulo Aguiar.

Algodão brasileiro fortalece posicionamento internacional em Bremen
26 de Março de 2024

Pluma de qualidade, com preço atrativo, rastreável e cultivada com responsabilidade. Com esses atributos, o algodão brasileiro teve seu posicionamento internacional reforçado pela Associação Brasileira de Produtores de Algodão (Abrapa) durante sua participação na edição deste ano da International Cotton Conference Bremen. Com a marca Cotton Brazil representando a cadeia produtiva do algodão brasileiro em escala global, a Abrapa participou de dois painéis e realizou uma sessão especial sobre sustentabilidade e rastreabilidade. “Nosso diferencial no cenário mundial é termos condições de ampliarmos ainda mais a nossa produção de forma responsável”, destacou o presidente da associação, Alexandre Schenkel, durante a conferência. Atualmente, o Brasil é o terceiro maior produtor e segundo maior exportador de algodão no mundo. “A característica que mais tem chamado atenção do mercado mundial é o fato de rastrearmos 100% da nossa produção de algodão com certificação socioambiental, Algodão Brasileiro Responsável - ABR”, observa o presidente. A rastreabilidade dos fardos de algodão e o engajamento dos produtores brasileiros com as boas práticas da agricultura regenerativa tiveram destaque na sessão especial do dia 20 de março. Com o tema "Sustainability in the cotton value chain: trends in regenerative practices and traceability", o debate reuniu Schenkel, o presidente da Associação Nacional de Exportadores de Algodão (Anea), Miguel Faus, o diretor de Relações Internacionais da Abrapa, Marcelo Duarte, o head de Sustentabilidade e Inovação da LDC Cotton, Bill Ballenden, e a consultora internacional de Sustentabilidade, Marzia Lanfranchi. Responsável pelo desenvolvimento do Cotton Brazil, Marcelo Duarte foi o moderador do painel “A Look at Breeding and Agriculture”, focado em melhoramento genético e agricultura, no dia 21. Os painelistas foram Müge Ekizoglu (da Consultoria Inc), Ryan Kurtz (Cotton Incorporated), Filipe Natalio (Instituto Weizmann de Ciência), Abhijeet Sharma (BASF S) e Özgür Tatar (Faculdade de Agricultura da Universidade Ege). A evolução dos indicadores de qualidade intrínseca do algodão brasileiro foi a pauta central da apresentação do especialista de Qualidade da Abrapa, Deninson Lima. No dia 22, ele participou do painel “Cotton Quality and Testing”, em que diferentes países apresentaram o status atual sobre controle e análise de qualidade da pluma. Além de mostrar a melhoria gradativa nos indicadores, Deninson explicou como funciona o Programa Standard Brasil HVI (SBRHVI) – rede nacional com 12 laboratórios distribuídos por cinco estados brasileiros. “De 2017 para cá, aumentamos a rastreabilidade e a confiabilidade dos exames laboratoriais, o que contribui para a valorização do algodão brasileiro no mercado mundial”, explica o especialista. Deninson também apresentou o Programa de Qualidade do Algodão Brasileiro (PQAB), certificação oficial do Governo Brasileiro implementada em 2023. O programa tem adesão voluntária por parte dos produtores e certifica os fardos que cumpriram os padrões internacionais de análise de qualidade. O PQAB tem sido debatido pela Abrapa junto aos países importadores, desde sua implantação. O objetivo é que a retestagem dos fardos feita quando as cargas desembarcam nos postos se torne desnecessária. A participação mais contundente da Abrapa na conferência de Bremen foi motivada pela estratégia de se aproximar mais ainda dos principais players do setor em âmbito global. O evento é considerado a principal reunião da cadeia do algodão mundial desde a década de 1950, reunindo especialistas, técnicos, pesquisadores e empresários do setor. O Cotton Brazil é desenvolvido pela Abrapa em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), e apoio da Anea.

Sou de Algodão celebra parceria com a Universidade de Caxias do Sul com aula inaugural sobre cadeia têxtil e moda brasileira
22 de Março de 2024

Na última quinta-feira, 21, estudantes do curso de moda da Universidade de Caxias do Sul (UCS) participaram de uma aula magna promovida pelo Sou de Algodão, iniciativa da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa). Na ocasião, cerca de 60 alunos e docentes puderam conhecer mais do algodão brasileiro e sua produção responsável, sobre o movimento e o 3º Desafio Sou de Algodão + Casa de Criadores, concurso de estudantes que vai revelar ainda este ano o novo nome da moda autoral brasileira. A aula especial também contou com a participação do estilista parceiro João Pimenta, um dos principais nomes do São Paulo Fashion Week (SPFW), que falou sobre o uso do algodão nas coleções que desenvolve, principalmente no segmento masculino. Seu discurso foi uma forma de inspirar a futura geração presente no evento a escolher a matéria-prima nacional e responsável. Ouvir a história de vida e de carreira de João Pimenta foi inspirador para os estudantes do curso, como conta a aluna Meire Frigo, de 20 anos, que ficou encantada com o relato do estilista. “O discurso de João Pimenta sobre as suas origens, de como ele conseguiu trazer aquilo para as suas criações, foi muito marcante. É incrível como ele traduz essa essência em seu trabalho de uma forma super graciosa. Mesmo com todas as dificuldades, ele consegue demonstrar que é possível e que a moda é muito mais do que simplesmente um tecido ou um produto; moda é arte, é essência, é vida. Ele tem uma origem que é igual a de muitos brasileiros, e para mim, ver que essas pessoas existem, e que elas conseguem fazer essas coisas grandiosas, é muito bom porque me dá mais esperança de continuar dentro dessa ramo”, relatou. Para o coordenador do curso de Moda na USC, Renan Isoton, o encontro foi muito importante para que todos pudessem entender como os diversos aspectos da moda - como sustentabilidade, criatividade e planejamento - estão correlacionados. “Foi um evento incrível, e muito emocionante. Ter a Manami e o João apresentando juntos nos ajudou a perceber como a nossa identidade e origem impactam em nossa criatividade. Quando falamos em criar uma cultura de moda nacional, que valorize as diferenças regionais do país, isso está totalmente associado à cadeia produtiva, em conhecer as origens das matérias-primas e a entender o impacto que essa cadeia tem em todas as esferas”, afirmou. Ainda para o professor, a partir da aula magna foi possível entender a importância do Brasil e do algodão na cadeia têxtil. “A palestra agregou muito em nosso curso, muitos alunos se identificaram com a história do João Pimenta e conseguiram ver sentido e aplicação no que a Manami trouxe sobre o algodão. A partir disso, conseguimos construir novos caminhos com uma moda que olha para frente e é autoral, que sempre pensa em entregar um produto informativo, com qualidade e com nossa identidade carimbada”, completou. Ao conhecer a história do Sou de Algodão, a estudante Meire Frigo ainda considerou que o movimento é uma iniciativa de extrema relevância para todos os elos da cadeia, do produtor de algodão ao estilista. “O movimento dá valor a todos os processos e trabalhadores que estão inseridos nesse meio, contribuindo não só com a sustentabilidade e com a economia, mas também com a autonomia e o trabalho de muitos brasileiros”, reiterou. “Eu espero que todos os estudantes aproveitem essa oportunidade com o 3º Desafio Sou de Algodão + Casa de Criadores, porque isso faz com que nossos projetos não sejam apenas sonhos”. A aula magna em parceria com o estilista João Pimenta é a primeira de muitas ações planejadas pelo Sou de Algodão com a universidade. “Estamos animados com os possíveis projetos que realizaremos a partir de agora. Acreditamos que somente a educação é capaz de promover as transformações necessárias para uma moda mais responsável”, declarou Manami Kawaguchi, gestora de relações institucionais do movimento. Sobre Sou de Algodão Movimento criado pela Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), em 2016, para despertar uma consciência coletiva em torno da moda e do consumo responsável. Para isso, a iniciativa une e valoriza os profissionais da cadeia produtiva e têxtil, dialogando com o consumidor final com ações, conteúdo e parcerias com marcas e empresas. Outro propósito é informar e democratizar o Algodão Brasileiro Responsável (ABR), que segue rigorosos critérios ambientais, sociais e econômicos e certifica 82% de toda a produção nacional de algodão.   Divulgação UCS - Fotógrafo Bruno Zulian

Boletim de Inteligência de Mercado Abrapa com as principais notícias do mundo do algodão
22 de Março de 2024

Destaque da Semana 1 - Os contratos mais próximos na bolsa ICE tiveram ligeira queda nesta semana, enquanto o contrato Dez/24 teve leve alta. O aumento de estoques certificados na bolsa pressionou as cotações no curto prazo. Destaque da Semana 2 - Hoje termina a Conferência Internacional de Algodão em Bremen na Alemanha e também a 1ª edição da Brazilian Cotton School, curso intensivo sobre o mundo do algodão realizado em parceria com Abit, Anea e BBM. Algodão em NY - O contrato Jul/24 fechou nesta quinta 21/03 cotado a 92,26 U$c/lp (-1,1% na semana). O contrato Dez/24 fechou em 83,92 U$c/lp (+0,6% na semana) e o Dez/25 a 79,36 U$c/lp (+0,7% na semana). Basis Ásia - O Basis médio do algodão brasileiro posto Leste da Ásia é de 450 pts para embarque Mar/Abr (Middling 1-1/8" (31-3-36), fonte Cotlook 21/mar/24). Altistas 1 - O balanço da safra americana 23/24 continua pressionando o mercado para cima, com número decrescente de produção e projeção de estoques cada vez mais baixos para o final do ano comercial (Jul/24). Altistas 2 - As vendas de vestuário no maior mercado do mundo (EUA) continuam surpreendendo positivamente, apesar do cenário de juros altos. Altistas 3 - O ritmo de aumento de posições de fundos especuladores no mercado de algodão em NY é sem precedentes (96 mil contratos em 7 semanas), pressionando as cotações. Baixistas 1 - Essa grande presença de fundos especuladores no mercado, entretanto, aumenta as chances de mais volatilidade. Baixistas 2 - Com o mercado invertido (Dez/24 valendo mais que Maio e Junho/24), os basis no destino estão pressionados. Baixistas 3 - Se desconsiderarmos a China (que tem comprado muito algodão para recompor estoques e não consumo imediato), as exportações desta safra (23/24) estão menores que em 22/23 para Brasil, EUA e Australia. EUA 1 - O relatório de plantio de março será publicado na próxima 5ª feira pelo USDA. O mercado espera números um pouco maiores que as previsões de Fevereiro. EUA 2 - O plantio da safra 24/25 já começou no Sul do Texas (maior estado produtor) e alguns estados da costa Atlântica. EUA 3 - O clima agora passa a ser acompanhado cada vez mais de perto. As previsões são de transição de El Niño para neutro nos próximos 2 meses e La Niña a partir de Junho – sinal de clima quente e seco no Sudoeste do país. China 1 - A importação de algodão pelos chineses nos dois primeiros meses de 2024 foi 185% maior que no mesmo período de 2023: 640 mil tons. China 2 - Em janeiro, o volume de algodão importado foi 345 mil tons, enquanto em Fevereiro foi de 295 mil tons. Assim, o volume de 1,9 milhão tons de 23/24 já supera o acumulado na temporada 2022/23. Bangladesh - Na semana passada, o Ministério da Agricultura bengali autorizou o cultivo de duas variedades de algodão transgênico Bt. Por enquanto, o governo realiza o plantio em uma área experimental. Coreia do Sul – A importação de algodão pelos sul-coreanos em fevereiro foi de 6,1 mil tons, 18% acima de fev/23. O Brasil foi o principal fornecedor, respondendo por 50% desse volume. Bremen 1 - A sessão especial realizada pela Abrapa/Cotton Brazil durante a International Cotton Conference Bremen foi um dos destaques do evento que termina hoje. Em pauta, sustentabilidade, agricultura regenerativa e os avanços brasileiros em rastreabilidade e qualidade. Bremen 2 - Marcelo Duarte, diretor da Abrapa, foi moderador de painel sobre novas tecnologias de produção de algodão na programação do principal evento sobre o tema na Europa. Bremen 3 - Hoje, a programação incluiu um painel sobre qualidade, no qual o especialista em qualidade da Abrapa, Deninson Lima, mostrou a evolução do País quanto aos indicadores de qualidade. Qualidade 1 - O reconhecimento do Programa de Qualidade do Algodão Brasileiro (PQAB) pela China está na pauta da VII Sessão Plenária da Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Cooperação (Cosban). Qualidade 2 - O evento ocorre em 5 e 6 de junho na China. Em reunião preparatória ontem (21), a Abrapa reforçou a importância do Programa de Qualidade brasileiro para que a China dispense as retestagens dos fardos feitas atualmente. Exportações - O Brasil exportou 125 mil tons de algodão até a 3ª semana de mar/24. A média diária de embarque é três vezes e meia maior em comparação com mar/23. Preços - Consulte tabela abaixo ⬇ Quadro de cotações para 21-03 Este boletim é produzido pelo Cotton Brazil, marca que representa internacionalmente a cadeia produtiva do algodão brasileiro. Contato: cottonbrazil@cottonbrazil.com

Abrapa enfatiza a importância do Programa de Qualidade do Algodão Brasileiro em reunião preparatória para evento na China
21 de Março de 2024

A importância do reconhecimento da China ao Programa de Qualidade do Algodão Brasileiro (PQAB), fazendo com que o gigante oriental dispense as retestagens da pluma nacional no destino, foi uma das mensagens-chave da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), na reunião preparatória para a VII Sessão Plenária da Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (Cosban), realizada nesta quinta-feira (21), na sala San Tiago Dantas, no Palácio Itamaraty, em Brasília, com participação dos diversos setores econômicos brasileiros. Na ocasião, a Abrapa foi representada pelo seu vice-presidente, Paulo Sergio Aguiar, e pelo diretor executivo, Marcio Portocarrero. A Cosban é o mais elevado mecanismo institucional de cooperação entre o Brasil e a China e compreende 11 subcomissões temáticas.  Seus membros estarão reunidos na VII Sessão Plenária, que ocorrerá na China, nos dias 05 e 06 de junho próximo, tendo o vice-presidente do Brasil, Geraldo Alckmin, na co-presidência do evento, juntamente com o vice-presidente da República Popular da China, Han Zheng. Alckmin participou do encontro preliminar, organizado pela embaixadora Maria Laura da Rocha, Secretária Geral de Relações Exteriores do Brasil. “Foi uma reunião muito organizada e proveitosa, onde cada setor representado teve a oportunidade de elencar suas demandas de forma bem objetiva. Os cotonicultores reforçaram a importância do Programa de Qualidade, que é a ‘certificação oficial’ do algodão brasileiro. O reconhecimento da China ao PQAB representará uma grande economia de tempo para a chegada do nosso algodão ao destino, naquele mercado”, argumentou o vice-presidente da Abrapa, Paulo Aguiar, destacando que, atualmente, a China testa novamente no destino todo o algodão que chega do Brasil. “Nos últimos anos, investimos muito em qualidade de resultados dos nossos laudos de HVI, com a criação do programa Standard Brasil HVI (SBRHVI), e criação de um laboratório central para parametrizar e checar as análises de algodão.  Com a entrada do Ministério da Agricultura chancelando os processos, após uma série de treinamentos de inspetores e técnicos de laboratórios, isso ficou ainda mais rigoroso. Nossos laudos são precisos e atendem aos padrões internacionais. Se forem aceitos como suficientes, ganhamos tempo numa logística que é muito mais longa do que a do nosso maior concorrente, os Estados Unidos”, disse Aguiar. O vice-presidente da Abrapa enfatiza a importância do estreitamento de laços com o gigante oriental, que hoje é o terceiro maior mercado de vestuário do mundo, mas é o maior consumidor mundial de algodão. A cada ano, a China consome por volta de 7 a 8 milhões de toneladas de pluma, das quais 2,4 milhões são importadas. “O país é o principal destino do algodão brasileiro, mas nós ainda somos o segundo lugar no ranking entre as origens do algodão que a China importa, depois dos Estados Unidos, e estamos trabalhando para sermos os primeiros do pódio”, concluiu Paulo Aguiar.