notícias

Abrapa statement on the publication of the Better Cotton-commissioned Peterson review
23 de Abril de 2024

Brasilia, Tuesday 23 April 2024 — Abrapa, the Brazilian Cotton Producers Association, welcomes the publication of the Better Cotton-commissioned Peterson review and its decisive refutation of the unfounded allegations made by Earthsight. We draw attention to the Peterson review’s main findings: 1. The certification process of the three farms that produce ABR/Better Cotton was found to be valid and compliant. 2. In regard to the violations claimed by Earthsight (corruption, violations of land rights, appropriation of green lands, illegal deforestation, irregular aerial spraying, coercion and intimidation of traditional communities, negative impacts on biodiversity and intentional fire), no incidences of violations of or non-compliance with version 2.1 of the BCI Standard of Principles and Criteria were found. 3. Comparing the ABR/Better Cotton standard with other socio-environmental standards Peterson made a series of suggestions for incorporation into the ABR/Better Cotton standard to help make the standard more robust in identifying risks of irregularities and therefore increasing the reliability of certification. Abrapa is actively reviewing these recommendations in collaboration with Better Cotton in our strategic approach of constant improvement and evolution of the ABR protocol. Abrapa members are working together with Better Cotton on due diligence to strengthen the evidence provided by large farms, which Better Cotton will then expand to other large farms globally. Commenting on the findings of the Peterson report, Abrapa’s president Alexandre Schenkel said: “The Peterson report is a clear vindication of the compliance of the participating farms cited with the BCI and ABR protocols and an unambiguous refutation of the false allegations put forward by Earthsight. This is now the second fully independent audit demonstrating compliance with the protocols. One of our core values is the importance of transparency and our openness to engage with all stakeholders, from civil society to the entire value chain. It was in that spirit that we and the ABR participating companies involved had provided Earthsight last year with all of the necessary information and evidence to address their concerns and allegations; we regret that much of our input was ignored in their publication. We welcome the suggestions and insights from Earthsight and other civil society partners on ways in which the ABR programme can be enhanced; we are actively working on reviewing together with Better Cotton the Peterson recommendations, and we look forward to engaging in constructive dialogue in our journey of continuous improvement.” Abrapa is currently engaged in a re-benchmarking process of the ABR sustainability protocols in line with the revised and updated version 3.0 of the Better Cotton programme. These will be applied in the field audits for the 2024-25 crop (first half of 2025). Now in the second of the three phases of our comprehensive review of the ABR programme, we have analysed the current diagnosis of the ABR programme across its multiple sustainability benchmarks, conducted a comparative analysis with other natural textile fibre sustainability programmes, and engaged in a strategic alignment with sector leaders. We have also engaged an independent consultancy to develop a revised and robust ABR strategy and governance model to future-proof the programme over the coming years. The next steps in our strategic review include a reformulation of the ABR across themes; the development of a materiality matrix and the evaluation and prioritisation of material issues to be addressed; developing new KPIs to better monitor and evaluate the programme’s objectives; moving from mass-balance to providing full physical traceability; drafting the annual ABR sustainability report in line with GRI standards; developing proposals for a climate strategy within the ABR; developing advice programmes for growers in developing parameters, defining targets and rolling out implementation plans; and the development and rollout of training workshop for participants in the ABR programme. About the Peterson review Peterson was commissioned by Better Cotton to review of the evidence attesting to the compliance status of the farms cited by Earthsight in the latter’s allegations. The report analysed the compliance or lack thereof of the ABR-certified and BCI-licenced Paysandu farm (SLC Agrícola) and the Sagarana and Timbaúba Sítio Grande farms (Horita) in the western Matopiba region of the State of Bahia with the required norms and parameters of those two certification programmes. The Peterson report also benchmarked other socio-environmental agricultural certifications and identify opportunities for improvement in BCI/ABR standards. The methodology of the report was cartographic analyses, bibliographic research, critical document review, and interviews with the companies SLC Agrícola, Grupo Horita, and the Brazilian Association of Cotton Producers (ABRAPA). The report contains a description of interviews conducted with the SLC Agrícola and Horita groups, in which the representatives were able to respond to the complaints, as well as present the actions of the companies concerning environmental conservation and relations with the communities possibly affected by the activities. At the time of this document, it was not possible to conduct interviews with the communities possibly affected by the activities of the two companies. About the ABR The Brazilian Responsible Cotton Program (ABR) is a voluntary program of the Brazilian Cotton Growers Association (Abrapa) aimed at promoting and enhancing sustainable practices in cotton farming in Brazil. Since 2012 the programme has been based on the three pillars of environmental, social, and economic sustainability and eight criteria: employment contract; prohibition of child labour; prohibition of slave, forced, or degrading labour; freedom of association; prohibition of discrimination; promotion of health, safety, and environmental conditions in rural work; environmental performance; and good agricultural practices. Since 2013 the ABR has been benchmarked with Better Cotton (BCI), the global reference entity for licensing responsibly produced cotton. More than 80% of Brazilian cotton is ABR/Better Cotton certified. Certification is provided on the basis of rigorous auditing conducted by three independent third-party auditing companies: the Brazilian Association of Technical Standards (ABNT); Genesis Certifications, and Qima/WQS. About Abrapa Abrapa, the Brazilian Cotton Growers Association was founded in 1999 with the aim of representing Brazilian cotton growers. Over the course of 25 years Abrapa has worked to establish guidelines for the development of cotton production in Brazil and strategic programmes to promote each of its four commitments: traceability, quality, sustainability and promotion, including the Abrapa Identification System (SAI), Standard Brazil HVI (SBRHVI), Responsible Brazilian Cotton (ABR), and Sou de Algodão and Cotton Brazil, for domestic and international market promotion, respectively. Abrapa has nine state producer association members, namely: Abapa (Bahia); Agopa (Goiás); Amapa (Maranhão); Amipa (Minas Gerais); Ampasul (Mato Grosso do Sul); Ampa (Mato Grosso); Apipa (Piauí); Acopar (Paraná) and Appa (São Paulo) and represents 99% of cotton-producing areas of the country. Click on the link to Better Cotton Statement and audit independent: https://bettercotton.org/earthsight-our-statement-and-audit-summary/ Click on the link to the summary of the audit conducted by Peterson: https://bettercotton.org/earthsight-better-cotton-shares-findings-of-independent-audit/ Declaração da Abrapa sobre a publicação da auditoria encomendada pela Better Cotton para a Peterson Auditoria da Peterson realizada em relação às alegações da ONG Earthsight Brasília, terça-feira, 23 de abril de 2024 - A Abrapa, Associação Brasileira dos Produtores de Algodão, recebe com satisfação a publicação da análise da Peterson, encomendada pela Better Cotton, e sua decisiva refutação das alegações infundadas feitas pela Earthsight. Chamamos a atenção para as principais conclusões da revisão de Peterson: 1. O processo de certificação das três fazendas que produzem ABR/Better Cotton foi considerado válido e em conformidade. 2. Com relação às violações alegadas pela Earthsight (corrupção, violações de direitos fundiários, apropriação de terras para conservação, desmatamento ilegal, pulverização aérea irregular, coerção e intimidação de comunidades tradicionais, impactos negativos sobre a biodiversidade e incêndios intencionais), não foram encontradas incidências de violações ou não conformidade com a versão 2.1 do Padrão de Princípios e Critérios da Better Cotton. 3. Comparando o padrão ABR/Better Cotton com outros padrões socioambientais, a Peterson fez uma série de sugestões para incorporação no padrão ABR/Better Cotton para ajudar a tornar o padrão mais robusto na identificação de riscos de irregularidades e, portanto, aumentar a confiabilidade da certificação. A Abrapa está revisando ativamente essas recomendações em colaboração com a Better Cotton em nossa abordagem estratégica de melhoria e evolução constante do protocolo ABR. Os membros da Abrapa estão trabalhando em conjunto com a Better Cotton em uma devida diligência para fortalecer as evidências fornecidas pelas grandes fazendas, para que na sequência a Better Cotton possa então expandir este procedimento para outras grandes fazendas em todo o mundo. Ao comentar as conclusões do relatório Peterson, o presidente da Abrapa, Alexandre Schenkel, afirmou: "O relatório Peterson é uma clara atestação da conformidade das fazendas participantes citadas com os protocolos Better Cotton e ABR e uma refutação inequívoca das falsas alegações apresentadas pela Earthsight. Esta já é a segunda auditoria totalmente independente que demonstra a conformidade com os protocolos. Um de nossos valores fundamentais é a transparência e disposição para o engajamento com todas as partes interessadas, desde a sociedade civil até toda a cadeia de valor. Foi com esse espírito que nós e os grupos agrícolas envolvidos fornecemos à Earthsight, no ano passado, todas as informações e evidências necessárias para refutar as alegações; lamentamos que grande parte de nossa contribuição tenha sido ignorada na publicação da ONG. Estamos abertos a sugestões e contribuições da Earthsight e de outros parceiros da sociedade civil sobre as maneiras pelas quais o programa ABR pode ser aprimorado; estamos trabalhando ativamente na revisão das recomendações da Better Cotton, juntamente com a Peterson, e esperamos participar de um diálogo construtivo em nossa jornada de melhoria contínua." A Abrapa está atualmente envolvida em um processo de realinhamento dos protocolos de sustentabilidade do ABR, de acordo com a versão 3.0 revisada e atualizada do programa Better Cotton. Esses protocolos serão aplicados nas auditorias de campo da safra 2024-25 (primeiro semestre de 2025). Agora, na segunda das três fases de nossa revisão abrangente do programa ABR, estamos realizando o diagnóstico atual do programa através de uma análise comparativa com outros programas de sustentabilidade de fibras têxteis naturais e alinhamento estratégico com os líderes do setor. Também contratamos uma consultoria independente para desenvolver uma estratégia revisada e robusta do ABR e um modelo de governança para preparar o programa para o futuro nos próximos anos. As próximas etapas de nossa revisão estratégica incluem uma reformulação do ABR em todos os temas; o desenvolvimento de uma matriz de materialidade e a avaliação e priorização de questões materiais a serem abordadas; o desenvolvimento de novos indicadores de desempenho para monitorar e avaliar melhor os objetivos do programa; a elaboração do relatório anual de sustentabilidade do ABR de acordo com os padrões da GRI; o desenvolvimento de propostas para uma estratégia climática dentro do ABR; o desenvolvimento de programas de apoio para produtores no desenvolvimento de parâmetros, definição de metas e implementação de planos de implementação; e o desenvolvimento e implementação de workshops de treinamento para os participantes do programa ABR. Sobre a avaliação de Peterson A Peterson foi contratada pela Better Cotton para analisar as evidências que atestam o status de conformidade das fazendas citadas pela Earthsight em suas alegações. O relatório analisou a conformidade, ou a falta dela, da fazenda Paysandu (SLC Agrícola), certificada pela ABR e licenciada pela BCI, e das fazendas Sagarana e Timbaúba Sítio Grande (Horita), na região de Matopiba, no Oeste do Estado da Bahia, com as normas e os parâmetros exigidos por esses dois programas de certificação. O relatório Peterson também comparou outras certificações agrícolas socioambientais e identificou oportunidades de melhoria nos padrões da BCI/ABR. A metodologia do relatório consistiu em análises cartográficas, pesquisa bibliográfica, revisão crítica de documentos e entrevistas com as empresas SLC Agrícola, Grupo Horita e a Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (ABRAPA). O relatório contém a descrição das entrevistas realizadas com os grupos SLC Agrícola e Horita, nas quais os representantes puderam responder às denúncias, bem como apresentar as ações das empresas em relação à conservação ambiental e ao relacionamento com as comunidades possivelmente afetadas pelas atividades. Até o momento da elaboração deste documento, não foi possível realizar entrevistas com as comunidades possivelmente afetadas pelas atividades das duas empresas. Sobre a ABR O Programa Brasileiro de Algodão Responsável (ABR) é um programa voluntário da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa) que visa promover e aprimorar práticas sustentáveis na cultura do algodão no Brasil. Desde 2012, o programa tem se baseado nos três pilares da sustentabilidade ambiental, social e econômica e em oito critérios: contrato de trabalho; proibição do trabalho infantil; proibição do trabalho escravo, forçado ou degradante; liberdade de associação; proibição da discriminação; promoção das condições de saúde, segurança e meio ambiente no trabalho rural; desempenho ambiental; e boas práticas agrícolas. Desde 2013, o ABR tem sido avaliado com base no Better Cotton (BCI), a entidade de referência global para o licenciamento de algodão produzido de forma responsável. Mais de 80% do algodão brasileiro é certificado pelo ABR/Better Cotton. A certificação é fornecida com base em uma rigorosa auditoria independente conduzida por três empresas de auditoria terceirizadas independentes. Ela é endossada pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), Genesis Certifications e Qima/WQS. Sobre a Abrapa A Abrapa, Associação Brasileira dos Produtores de Algodão, foi fundada em 1999 com o objetivo de representar os produtores brasileiros de algodão. Ao longo de 25 anos, a Abrapa tem trabalhado para estabelecer diretrizes para o desenvolvimento da produção de algodão no Brasil e programas estratégicos para promover cada um de seus quatro compromissos: rastreabilidade, qualidade, sustentabilidade e promoção, incluindo o Sistema Abrapa de Identificação (SAI), o Standard Brasil HVI (SBRHVI), o Algodão Brasileiro Responsável (ABR) e o Sou de Algodão e o Cotton Brazil, para promoção nos mercados doméstico e internacional, respectivamente. A Abrapa tem nove associações estaduais de produtores associadas, a saber: Abapa (Bahia); Agopa (Goiás); Amapa (Maranhão); Amipa (Minas Gerais); Ampasul (Mato Grosso do Sul); Ampa (Mato Grosso); Apipa (Piauí); Acopar (Paraná) e Appa (São Paulo) e representa 99% das áreas produtoras de algodão do país. Clique no link e acesse a declaração da Better Cotton a respeito das alegações da Earthsight e o resumo da auditoria independente: https://bettercotton.org/earthsight-our-statement-and-audit-summary/ Clique no link e acesse o resumo da auditoria realizada pela Peterson: https://bettercotton.org/earthsight-better-cotton-shares-findings-of-independent-audit/ 23.04.2024 Imprensa Abrapa Catarina Guedes – Assessora de Imprensa (71) 98881-8064 media@abrapa.com.br/catarinaguedes@agripress.com.br

A importância da rastreabilidade para a sustentabilidade na moda brasileira
22 de Abril de 2024

Com o lançamento da coleção em parceria com a C&A, em fevereiro de 2024, o programa SouABR ganhou destaque no Jornal da Manhã, de 22.04.2024, do canal Jovem Pan News. Apresentando as calças que chegaram às lojas, a reportagem falou sobre a importância da rastreabilidade para a sustentabilidade na moda brasileira. Clique aqui e assista à matéria completa.    

Boletim de Inteligência de Mercado Abrapa com as principais notícias do mundo do algodão
19 de Abril de 2024

Destaque da Semana - Em uma semana de muitas liquidações vindas do lado especulativo, as cotações caem para os menores patamares em 4 meses. Algodão foi a commodity agrícola de maior queda na semana. Algodão em NY - O contrato Jul/24 fechou nesta quinta 18/04 cotado a 80,61 U$c/lp (-5,5% na semana). O contrato Dez/24 fechou 77,41 U$c/lp (-4,2% na semana) e o Dez/25 a 76,68 U$c/lp (-1,5% na semana). Basis Ásia - Basis médio do algodão brasileiro posto Leste da Ásia: 300 pts para embarque Abr/Mai (Middling 1-1/8" (31-3-36), fonte Cotlook 18/abr/24). Baixistas 1 - Nos EUA, chuvas generalizadas nas Planícies do Sudoeste (Texas, Arizona, Novo México) aumentaram a probabilidade de uma boa colheita tanto no sequeiro como nas áreas irrigadas daquela vasta região. Baixistas 2 - O índice do dólar .DXY permaneceu perto do seu nível mais alto em mais de dois meses, tornando o algodão mais caro para os compradores estrangeiros. Baixistas 3 - O ritmo de expansão do estoque certificado diminuiu, mas alcançou um novo recorde recente de 172.732 fardos, o maior desde julho de 2017. Altistas 1 - O relatório semanal de vendas de exportação do USDA mostrou vendas líquidas de 152.900 fardos para 2023/2024, um aumento de 79% em relação à semana anterior e 64% em relação à média das 4 semanas anteriores. Altistas 2 - O PIB chinês cresceu 5,3% no primeiro trimestre em relação ao mesmo período de 2023. O resultado surpreendeu o mercado e foi gerado pela intensificação da atividade manufatureira na China. Altistas 3 - O crescimento de 3,4% na venda de roupas no varejo dos EUA no primeiro trimestre de 2024 superou a média geral do varejo (3,3%). Com menos estoque disponível, o mercado começa a ficar otimista. EUA - O relatório de progresso da safra do USDA mostra dez estados ativos, com plantio de 8% do total previsto em todo o território norte-americano. Economia 1 - Em suas Perspectivas Econômicas Mundiais de Abril, o FMI pontuou que, apesar das previsões sombrias, o mundo evitou a recessão, o sistema bancário foi resiliente e os principais mercados emergentes se protegeram. Economia 2 - Segundo o órgão, entretanto, tensões geopolíticas (guerra na Ucrânia, conflito em Gaza e Israel, etc.) podem gerar pico de preços, mantendo altas as taxas de juro e reduzindo preços dos ativos. China - Relatório de Oferta e Demanda do USDA aumentou em 1,3 milhão de fardos a previsão de importação de algodão pela China em 2023/24. Paquistão - Já para o Paquistão, o órgão americano prevê redução de 87 mil toneladas em relação à última estimativa, chegando à 653 mil toneladas. Coreia do Sul - Em março, os sul-coreanos importaram 6,9 mil tons de algodão – volume inferior ao de mar/23. O Brasil forneceu cerca de 50% e os EUA, 36%. No ciclo 2023/24, o total é de 38.865 tons, 40% a menos que no ciclo anterior. Bangladesh - A importação bangladesa de algodão atingiu o maior volume desde set/22 em março, com 143,840 mil tons. O Brasil contribuiu com 18%. Na temporada, as compras somam 940,4 mil tons. Cotton Brazil - A Europa é o destino do Cotton Brazil na próxima semana. A agenda inclui compromissos com Apex e Embaixada brasileira em Bruxelas e participação na Kingpins Show, em Amsterdã. Exportações - O Brasil exportou 122,3 mil tons de algodão na primeira semana de abr/24. A média diária de embarque é 3,6 vezes maior em comparação com abr/23. Preços - Consulte tabela abaixo ⬇ Quadro de cotações para 18-04 Este boletim é produzido pelo Cotton Brazil, marca que representa internacionalmente a cadeia produtiva do algodão brasileiro. Contato: cottonbrazil@cottonbrazil.com

Sou de Algodão fecha parceria com a Universidade Anhembi Morumbi
19 de Abril de 2024

O movimento Sou de Algodão, iniciativa da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), fechou parceria com mais uma instituição de ensino, desta vez com a Universidade Anhembi Morumbi (UAM), localizada em São Paulo. A adesão está vinculada ao objetivo de expandir cada vez mais a atuação com estudantes de moda do Brasil, uma vez que a UAM faz parte de um grande grupo de instituições de ensino - a Anima -, que, além de cursos de moda presenciais na capital paulista, realiza outros à distância, com alcance nacional. A novidade beneficia diversos estudantes do curso de Moda, uma vez que a instituição atua em três campi - um localizado na Vila Olímpia, um na Av. Paulista e outro na Mooca. O objetivo da parceria é promover atividades que aprofundem o conhecimento dos futuros profissionais sobre toda a cadeia produtiva que envolve a fibra nacional, desde o cultivo da matéria-prima até o consumidor final. Desde a sua criação, há oito anos, Sou de Algodão trabalha para ampliar a visibilidade e a importância do algodão brasileiro em todo o mercado. Em seu plano estratégico, estruturado em três pilares (promocional, negócios e informacional), todas as ações têm como objetivo promover novos olhares sobre a moda, tornando o algodão a matéria-prima de um futuro mais responsável. A parceria com a UAM acontece após os projetos de divulgação do 3º Desafio Sou de Algodão + Casa de Criadores na universidade, apresentados pela gestora de relações institucionais do Sou de Algodão, Manami Kawaguchi Torres, e o diretor artístico da Casa de Criadores, André Hidalgo, no ano passado. “Estamos muito animados com mais uma parceria do movimento. Expandir as ações do Sou de Algodão entre os estudantes de moda do país cumpre o nosso objetivo com a educação e com a promoção de uma moda mais transparente com toda a cadeia. É importante falarmos do algodão para os novos profissionais da moda, porque é uma matéria-prima que movimenta o mercado e que gera diversas oportunidades de negócios, além de transformar o consumo de roupas em um hábito mais responsável”, declara Manami. Apresentar dados para os estudantes de moda reforça a grandeza da fibra e sua importância para o país. Em números, destacam-se informações como os 82% da última safra com certificação ABR (Algodão Brasileiro Responsável), que garante a responsabilidade socioambiental na produção; foram mais de dois milhões e meio de toneladas certificadas, na safra passada; 38 mil empregos diretos e formais, tendo 4.179 mulheres empregadas; e 92% da área de algodão ABR foi produzida em regime de sequeiro (quando as águas da chuva são aproveitadas e a lavoura não precisa de irrigação durante o desenvolvimento da cultura). Para Deborah Serretiello, coordenadora de Grande Área (cursos nas áreas de Artes e Moda) da UAM, a parceria entre a universidade e o movimento é fundamental para que os alunos sejam incentivados a se aproximarem das marcas e dos movimentos de moda brasileira. “É importante que os jovens estabeleçam uma relação com toda a cadeia do setor de algodão e do Design de Moda por meio de processos criativos. Isso causa um estímulo no estudante para que ele estabeleça uma ponte entre a vida estudantil e o mercado de trabalho, que é enorme e super importante no Brasil”, destaca. Com a parceria, o movimento pretende levar os estudantes à fazenda e à indústria, por meio de visitas guiadas, para conhecer de perto a produção do algodão brasileiro. Além disso, painéis de discussão com personalidades da moda e marcas parceiras, projetos acadêmicos tendo a fibra como ponto central, e oficinas que visam gerar uma experiência tátil e prática seguem no planejamento para 2024. "Nosso trabalho com as universidades brasileiras está apenas começando. Estamos em busca de mais instituições de ensino que queiram se juntar ao Sou de Algodão. Vamos trabalhar unidos para transformar a moda nacional por meio do trabalho e da contribuição de todos", finaliza Silmara Ferraresi, diretora de relações institucionais da Abrapa e gestora do movimento Sou de Algodão. Sobre Sou de Algodão Movimento criado pela Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), em 2016, para despertar uma consciência coletiva em torno da moda e do consumo responsável. Para isso, a iniciativa une e valoriza os profissionais da cadeia produtiva e têxtil, dialogando com o consumidor final com ações, conteúdo e parcerias com marcas e empresas. Outro propósito é informar e democratizar o Algodão Brasileiro Responsável (ABR), que segue rigorosos critérios ambientais, sociais e econômicos e certifica 82% de toda a produção nacional de algodão. Abrace este movimento: Site: www.soudealgodao.com.br Facebook, Instagram, Youtube, LinkedIn, Pinterest: @soudealgodao TikTok: @soudealgodao_

Abrapa finaliza treinamento para inspetores de algodão em pluma
19 de Abril de 2024

Terminou, nesta sexta-feira, dia 19 de abril, o curso de capacitação e qualificação de inspetores de algodão em pluma, realizado pela Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), em sua sede, em Brasília. Como parte do Programa de Qualidade do Algodão Brasileiro (PQAB), o treinamento teve início na segunda-feira, dia 15, e foi destinado aos funcionários do Centro de Análise de Fibras, da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa) e da Central de Classificação de Fibra de Algodão (Minas Cotton), da Associação Mineira dos Produtores de Algodão (Amipa). “Este treinamento de 40 horas é fundamental para habilitar inspetores nos laboratórios para o PQAB da safra 2023/2024. Além de realizar a inspeção das amostras, os inspetores têm a responsabilidade de garantir resultados confiáveis, assegurando que as verificações sejam realizadas a cada 200 análises, com uma taxa de confiabilidade igual ou superior a 90%”, afirmou Edson Mizoguchi, gestor do programa de Qualidade da entidade. O curso abordou aspectos técnicos para preparar os inspetores na realização do autocontrole nos pontos críticos do processo, desde a retirada das amostras até a análise do algodão para a certificação oficial do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa). “Foi uma ótima oportunidade para adquirir conhecimento e aplicá-lo no laboratório para auxiliar nossos produtores em Minas Gerais”, disse Aline Cristina, da Central de Classificação de Fibra de Algodão (Minas Cotton). O analista de controle de qualidade da Abapa, Yago Paixão da Silva, também destacou a oportunidade de conhecer o Centro Brasileiro de Referência em Análise de Algodão (CBRA), localizado no mesmo prédio da Abrapa. “Isso nos trouxe bastante motivação para os próximos desafios”, avaliou. Com temas diversificados, a capacitação abrangeu aspectos técnicos e legais das Unidades de Beneficiamento de Algodão (UBAs); dos laboratórios de análise de HVI; do Programa Standard Brasil HVI (SBRHVI) – sistema que tem a qualidade como foco, padronizando a classificação instrumental do algodão, informatizando o acesso aos dados de classificação; da legislação vigente; do Sistema Abrapa de Identificação (SAI) e de toda a operação do Programa de Qualidade do Algodão Brasileiro. Durante os encontros, dois agentes de inspeção do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal (Dipov), do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) estiveram presentes para acompanhar e fiscalizar o treinamento. O Dipov é o órgão governamental que coordena a certificação oficial do algodão brasileiro. “Participamos do treinamento para conferir maior credibilidade ao processo de classificação do algodão, além de supervisionar e fiscalizar o curso, que é direcionado aos inspetores de laboratório responsáveis por receber as amostras enviadas pelas Unidades Beneficiadoras de Algodão (UBAs). É fundamental que essas amostras cheguem às instalações do laboratório de acordo com os padrões e medidas corretas, conforme exigido pela legislação vigente”, explicou Igor Barros, agente de inspeção do Dipov. Além da instrução teórica, os inspetores também participaram de atividades conforme estipulado nos manuais de boas práticas, tanto do SBRHVI quanto do PQAB. Posteriormente, foram submetidos a uma avaliação, na qual a nota mínima exigida foi sete. 19.04.2024 Imprensa Abrapa Catarina Guedes – Assessora de Imprensa (71) 9 8881-8064 Monise Centurion – Jornalista Assistente (17) 99611-8019

Colheita de algodão deve ser recorde na safra 2023/24
19 de Abril de 2024

O Brasil deve colher 3,6 milhões de toneladas de algodão em pluma na safra 2023/24, volume 13,4% maior que o da temporada anterior e um recorde, conforme estimativas divulgadas neste mês pela Conab e analisadas pelo Cepea. A marca pode ser atingida mesmo com a projeção de queda na produtividade, de 2,5%, para 1.860 kg/ha, e, segundo pesquisadores do Cepea, viria do crescimento de 16,3% na área, que saltou para 1,94 milhão de hectares. Em relação ao mercado doméstico, as cotações da pluma seguem oscilando, ora impulsionadas pela posição firme de vendedores, ora pressionadas pelos menores valores ofertados por compradores ativos. A “queda de braço” quanto ao preço e/ou à qualidade dos lotes continua acirrada e limitando os fechamentos no spot. Pesquisadores do Cepea indicam, ainda, que agentes estão buscando realizar novos contratos a termo, seja para embarque nos próximos meses como também envolvendo a pluma das próximas temporadas (2023/24 e 2024/25). Fonte: Cepea

Reunião em São Paulo avalia os próximos passos da Brazilian Cotton School
19 de Abril de 2024

O presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), Alexandre Schenkel, e o diretor executivo da entidade, Marcio Portocarrero, participaram, na terça-feira (16), de uma agenda em São Paulo para tratar da Brazilian Cotton School, juntamente com o diretor da “escola”, Marcelo Escorel, e representantes de cada um dos parceiros da iniciativa, que também congrega Abit, Anea e BBM. A primeira edição da Brazilian Cotton School foi realizada em março deste ano, e o sucesso da estreia já aponta para os direcionamentos futuros. De acordo com Portocarrero, foi uma reunião de avaliação do curso, com base nos feedbacks dos alunos, que, de maneira geral, segundo o executivo, foram muito positivos. “Com base nestes retornos, pudemos refletir sobre melhorias, adaptações e aprofundamento em alguns temas”, disse. Apesar de ainda não haver data marcada para ocorrer novamente, a estimativa dos organizadores é de repetir a imersão 360º no algodão, em março de 2025.  “A versão brasileira da Cotton School foi bastante elogiada por todos os alunos que participaram e a gente pretende investir e continuar, para que possamos preparar profissionais qualificados para trabalhar na indústria têxtil, no setor comercial, com as traders, corretoras e, principalmente, no setor produtivo”, finaliza Schenkel.

Avanço de área pode garantir produção recorde de algodão no Brasil nesta safra
19 de Abril de 2024

O Brasil deve colher 3,6 milhões de toneladas de algodão em pluma na safra 2023/24, volume 13,4% maior que o da temporada anterior e um recorde, conforme estimativas divulgadas neste mês pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e analisadas pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) da Esalq/USP. A marca pode ser atingida mesmo com a projeção de queda na produtividade, de 2,5%, para 1.860 kg/ha. O resultado positivo, segundo pesquisadores do Cepea, viria do crescimento de 16,3% na área, que saltou para 1,94 milhão de hectares. Em relação ao mercado doméstico, as cotações da pluma seguem oscilando, ora impulsionadas pela posição firme de vendedores, ora pressionadas pelos menores valores ofertados por compradores ativos. A “queda de braço” quanto ao preço e/ou à qualidade dos lotes continua acirrada e limitando os fechamentos no spot. Nesta terça-feira (16/4), o indicador Cepea/Esalq para o algodão em pluma apresentava cotação média de R$ 3,9644 a libra-peso, uma queda acumulada de 3,06% desde o início de abril. Pesquisadores do Cepea indicam, ainda, que agentes estão buscando realizar novos contratos a termo, seja para embarque nos próximos meses como também envolvendo a pluma das próximas temporadas (2023/24 e 2024/25).