notícias

Estudante brasiliense de moda é finalista do Desafio Sou de Algodão
19 de Julho de 2024

Aos 23 anos, Júlia Theóphilo está perto de concluir a graduação em design de moda, mas já conquistou espaços disputados. A brasiliense é uma das finalistas do 3º Desafio Sou de Algodão. Ela desfilará a criação apresentada, ainda neste ano, na Casa de Criadores, importante evento da moda brasileira. Ao se preparar para o trabalho de conclusão de curso (TCC) pelo Instituto Federal de Brasília (IFB), Júlia Theóphilo se deparou com a oportunidade de dar vida às próprias criações em um projeto de moda sustentável e que busca talentos emergentes por todo o Brasil. O Sou de Algodão, movimento nascido em 2016, estimula uma cadeia produtiva com o algodão como protagonista, e está na terceira edição do desafio para estudantes do país. Ao se inscrever no concurso, Júlia apresentou um design inspirado na vivência pessoal. O trabalho Redefinindo Curvas aborda a experiência que ela tem com a escoliose, condição em que a coluna vertebral se desalinha em uma curvatura lateral. “A coleção é uma breve história dessa jornada, que começou aos 13 anos com o descobrimento, o tratamento com colete ortopédico até a cirurgia, uma trajetória que influenciou diretamente minha percepção da beleza e do corpo”, afirmou a estudante em documento enviado ao desafio. “Quando eu era pequena, sempre quis ter a cintura perfeita”, relembra Júlia, que desde cedo trabalha como modelo e teve um desnível no quadril causado pela escoliose. “Quando falamos de moda, vemos muito o padrão da simetria”, completa, em citação a tendências visuais como a harmonização facial, agora questionadas pela brasiliense em visuais “assimétricos e desarmônicos”, como ela define. A jovem tem — devido à cirurgia de escoliose — uma grande cicatriz nas costas, que por muito tempo foi motivo de descontentamento como modelo, quando estilistas e diretores tentavam disfarçar a marca. No look construído para a fase semifinal do concurso Sou de Algodão, a brasiliense decidiu não mais esconder o sinal, mas sim, o valorizar e o representar por meio de um corset com detalhes que remetem à sutura na pele. Elementos como o colete ortopédico também foram reinterpretados nos traços da estilista. “O colete chamava muita atenção e não era fácil de se esconder, eu tinha bastante vergonha de usá-lo na escola, além da dor que sentia. A coleção foi criada com o intuito de trazer um pouco de conforto e conexão, por meio do relato que, apesar de ser meu, não é uma experiência exclusiva minha”. Graças a uma parceria entre o IFB, o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) e o Sindicato das Indústrias de Vestuário no Distrito Federal (Sindiveste), Júlia teve o suprimento necessário para produzir o visual. O projeto foi enviado para a equipe do Desafio Sou de Algodão e, em seguida, votado por um grupo de jurados do Centro-Oeste. Na primeira semana de julho deste ano, a brasiliense recebeu a notícia de que é uma das 10 finalistas do concurso. Agora, os representantes das cinco regiões do país darão vida às coleções completas, que serão desfiladas na 55ª edição do evento Casa de Criadores, no qual serão revelados os vencedores. O primeiro lugar entrará para o lineup oficial da Casa de Criadores, além de receber R$ 30 mil para o desenvolvimento do compilado. O segundo colocado ganhará 100 metros de tecido, e o terceiro, 50 metros. Além disso, o professor orientador do aluno vencedor também receberá uma bonificação. Mesmo antes da final, Júlia Theóphilo já vê os frutos da participação no desafio. “O projeto me inspirou a ser mais criativa. Eu nunca tinha feito uma coleção tão conceitual assim, estudei muito até me encontrar no processo”, compartilha. A finalista também desenvolveu técnicas próprias para adaptar o algodão às peças, já que cada look deveria utilizar o material em pelo menos 70% da composição. “Isso fez a coleção ficar ainda mais única”, finaliza. Veja a matéria: https://www.metropoles.com/colunas/ilca-maria-estevao/estudante-brasiliense-de-moda-e-finalista-do-desafio-sou-de-algodao

Workshop do 14º CBA vai debater o manejo das plantas daninhas
19 de Julho de 2024

O primeiro workshop desta 14ª edição do Congresso Brasileiro do Algodão (CBA) traz um tema de grande relevância na atualidade: o manejo de plantas daninhas no sistema de produção. Responsáveis por perdas de produtividade que podem chegar a 80%, as plantas daninhas também causam impactos negativos secundários, pois dificultam as práticas de manejos, servem como hospedeiras para outras pragas e, no caso específico do algodão, impactam diretamente na qualidade do produto. Para falar sobre esse tema, o workshop reunirá especialistas, como Fernando Storniolo Adegas, pesquisador da Embrapa Soja, que atua na área de Manejo de Plantas Daninhas e Tecnologia de Aplicação de Pesticidas; Anderson Cavenaghi, engenheiro agrônomo, mestre e doutor em proteção de plantas pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Botucatu-SP; e Edson Andrade, pesquisador do IMAmt, especialista em plantas daninhas e coordenador do workshop. “A ideia é que os palestrantes tenham uma maior interação com os participantes, propondo alguns cenários e gerando debates”, explica Andrade. Realizado pela Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), o congresso ocorrerá na capital cearense, Fortaleza, de 03 a 05 de setembro, e deve reunir toda a cadeia produtiva da fibra. O palestrante Fernando Storniolo Adegas abrirá o encontro com o tema “Plantas daninhas resistentes a herbicidas no cerrado”. Serão abordados os principais desafios que o produtor de algodão enfrenta atualmente, no manejo de plantas daninhas, com destaque para aquelas que são resistentes a herbicidas, como Capim-Pé-de-Galinha e Caruru, e plantas de difícil controle, como Vassorinha de Botão, dentre outras. Na sequência, Anderson Cavenaghi falará sobre a “Importância do uso de pré-emergentes no sistema soja/algodão”, com o objetivo de potencializar a eficiência de controle no campo. “Cada vez mais o uso de pré-emergentes tem se mostrado obrigatório, seja para a lavoura ‘começar no limpo’, evitando assim, a matocompetição inicial, seja como alternativa de rotação de mecanismo de ação dos herbicidas usados, postergando a seleção de plantas daninhas resistentes e melhorando a eficiência de todo manejo durante a condução da lavoura”, explica Edson Andrade. A palestra “O que esperar das novas tecnologias na cultura do algodão”, ministrada pelo coordenador da sala, encerrará o encontro, com destaque não só para os lançamentos da safra, mas, sobretudo, para as tecnologias transgênicas STP e B3XTend e o que elas irão contribuir no manejo das plantas daninhas. “Essas tecnologias, cada uma com suas particularidades, serão ferramentas importantes para auxiliar no manejo de plantas daninhas, como Capim-Pé-de-galinha, Capim-Amargoso, Buva e Caruru”, destaca.

Boletim de Inteligência de Mercado Abrapa
19 de Julho de 2024

Destaque da Semana - Semana sem muitas novidades específicas de algodão, exceto o relatório do USDA da última sexta. Algodão em NY - O contrato Out/24 fechou nesta quinta 18/07 cotado a 71,37 U$c/lp (+3,3% vs. 11/jul). O contrato Dez/24 fechou 71,93 U$c/lp (+1,4% vs. 11/jul) e o Dez/25 a 73,57 U$c/lp (+0,9% vs. 11/jul). Basis Ásia - O Basis médio do algodão brasileiro no posto Leste da Ásia é de 735 pts para embarque Out/Nov-24 (Middling 1-1/8" (31-3-36), fonte Cotlook 18/jul/24). Altistas 1 - As vendas de roupas nos EUA aumentam 4,3% no ano, mostrando força do consumidor americano. Altistas 2 - Notícias nesta semana destacam que o Fed (Banco Central dos EUA) tende a começar a reduzir as taxas de juros em setembro, com a crescente confiança na estabilidade de preços. Baixistas 1 - O relatório de oferta de demanda do USDA mostrou aumento de produção nos EUA, levando a safra para 3,7 milhões tons. Esse aumento é consequência da elevação na área plantada para 11,67 milhões de acres (+1 milhão de acres). Baixistas 2 - A condição das lavouras contribui para a melhor perspectiva de safra nos EUA. 40% estão boas a excelentes, enquanto na safra passada o percentual era de 34%. O percentual reflete principalmente a melhoria no Texas, que foi de 33% para 41%. China 1 - Dados preliminares indicam que a China importou em junho 160 mil tons de algodão, volume 39% menor que em maio e superior às 83 mil tons de jun/23. O volume acumulado é de cerca de 3,1 milhão tons – acima das 1,2 milhão tons de 2022/23. China 2 - Já a importação de fios de algodão pela China somou 110 mil tons em junho, superando maio, mas abaixo de jun/23. O total de agosto a junho é de cerca de 1,5 milhões tons - 56% a mais que em 2022/23. Bangladesh - A importação de algodão bengalês atingiu o alto patamar de 153,3 mil tons em junho, totalizando 1,37 milhão tons no ano comercial. O volume acumulado é maior que o registrado tanto no ciclo 2022/23 como na safra 2021/22. Bangladesh 2 - Pelo menos 32 pessoas morreram durante os protestos em Dakha. Manifestantes querem o fim da cota que reserva mais da metade de cargos públicos para grupos específicos, como filhos de veteranos. Bangladesh 3 - Escolas e universidades foram fechadas e provedores de internet foram bloqueados. O número de feridos hospitalizados passa de 1.000 pessoas. Austrália - Em torno de 95% da safra 2024 foi colhida na Austrália, sendo que o beneficiamento já alcançou metade da produção e mais de 40% da safra foi classificada. A safra é estimada em 1,1 milhão de tons. Índia 1 - Em 12/07, a área plantada com algodão na Índia foi aferida em 9,58 milhões ha – 3% acima do mesmo período de 2023. Analistas acreditam que a área final deste ciclo ficará abaixo da safra passada (12,4 milhões ha). Índia 2 - A exportação de algodão indiano em maio foi de 39,8 mil tons – 3% a mais que em abr/24 e 37% a mais que em mai/23. Vietnã - A importação de algodão em junho pelo Vietnã foi de 87,5 mil tons – menor volume mensal desde fev/2023. O Brasil forneceu 42% do total. De ago/23 a jun/24, as compras somaram 1,32 milhão tons – acima de jun/23. Missão Compradores 1 - Mais uma edição da Missão Compradores começa na semana que vem. O grupo de industriais do setor têxtil de 9 países vem ao Brasil para conhecer a forma de produção brasileira de algodão. Missão Compradores 2 - Oito cidades serão visitadas pela comitiva, que conhecerá fazendas, unidades de beneficiamento, fiações, laboratórios de classificação e a sede da Abrapa, em Brasília. Missão Compradores 3 - A Missão Compradores é uma iniciativa da Abrapa, por meio do Cotton Brazil, e conta com apoio da Anea, da Apex-Brasil e das associações estaduais de algodão. Exportações - As exportações brasileiras de algodão somaram 86,5 mil toneladas até a segunda semana de julho. A média diária de embarque é 2,5 vezes maior que a média registrada no mesmo mês de 2023. Colheita 2023/24 - Até ontem (19/07), foram colhidos no estado da BA (29,13%), GO (40,9%), MA (28%), MG (38%), MS (45,6%), MT (13%), PI (36,1%), PR (100%) e SP (74%). Total Brasil: 18,28%. Beneficiamento 2023/24 - Até ontem (19/07), foram beneficiados no estado da BA (20%), GO (10,9%), MA (5%), MG (11%), MS (18%), MT (2%), PI (10,88%), PR (100%) e SP (64%). Total Brasil: 6,35%. Preços - Consulte tabela abaixo ⬇ Quadro de cotações para 18_07 Este boletim é produzido pelo Cotton Brazil, iniciativa que representa a cadeia produtiva do algodão brasileiro em escala global. Contato: cottonbrazil@cottonbrazil.com

Rastreabilidade, Certificação e Sustentabilidade na Cadeia Produtiva do Algodão
19 de Julho de 2024

Confira mais informações sobre rastreabilidade, certificação e sustentabilidade na cadeia produtiva do algodão com Marcio Portocarrero, diretor executivo da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa). Ele discute os desafios e avanços do setor no podcast Podintegrar, apresentado por Ronaldo Trecenti, explicando sobre práticas sustentáveis e iniciativas de certificação. Não perca a entrevista completa para entender melhor o futuro da produção da fibra no Brasil, disponível nesse link.  

Sou de Algodão divulga os 10 finalistas do 3º Desafio Sou de Algodão + Casa de Criadores
18 de Julho de 2024

O Desafio Sou de Algodão + Casa de Criadores, concurso promovido pelo movimento Sou de Algodão e a Casa de Criadores, divulgou os 10 finalistas, no último dia 5 de julho. Pela primeira vez, a grande final será com dois representantes de cada região do Brasil. Além disso, o 3º Desafio bateu recorde de inscrições, com mais de 950, superando as duas primeiras edições juntas. Agora, os nomes revelados terão aproximadamente quatro meses para se preparar e desenvolver uma nova coleção. "Estamos entusiasmados em anunciar os talentos que passaram para a próxima fase do concurso. Ter uma final com candidatos de todas as regiões do Brasil celebra a diversidade e a riqueza brasileira, dando oportunidade e visibilidade a estudantes que representam o futuro do setor. O 3º Desafio é uma forma de revelar novos nomes e promover a criatividade e a inovação na moda nacional”, comemora André Hidalgo, diretor da Casa de Criadores. Durante a grande final, que deve acontecer em novembro deste ano, em uma edição presencial da Casa de Criadores, em São Paulo, os finalistas exibirão suas coleções em um desfile e, os três primeiro colocados vão receber produtos das tecelagens parceiras do movimento e um programa de orientação profissional, promovido por apoiadores do concurso. O grande vencedor será contemplado com um prêmio no valor de R$ 30 mil, e passará a integrar o line-up oficial da Casa de Criadores a partir da primeira edição do próximo ano. O professor orientador do primeiro colocado também será reconhecido com um prêmio: uma bolsa orientação no valor de R$ 10 mil, destinada à pesquisa sobre algodão. Em edições passadas, o Desafio revelou nomes como Mateus Cardoso, Dario Mittmann, Rodrigo Evangelista e Guilherme Dutra. “Para nós, chegar em uma final com todas as regiões do nosso País, é sinônimo de vitória. Trabalhamos para que a moda nacional seja, cada vez mais, valorizada e reconhecida. E ficamos ainda mais felizes quando conseguimos juntar o nosso algodão brasileiro, que é uma fibra versátil e de qualidade, com o futuro do mercado”, comemora Silmara Ferraresi, diretora de relações institucionais da Abrapa e gestora do movimento Sou de Algodão. Alexandre Schenkel, presidente da Abrapa, acredita que os novos talentos revelados têm um compromisso fundamental com a responsabilidade ambiental, social e econômica ao trabalharem com o algodão nas coleções. “Esse envolvimento é crucial, pois eles são o futuro que continuarão a promover o uso desse recurso natural, reforçando a importância de uma moda mais consciente”, finaliza. Números do 3º Desafio Sou de algodão + Casa de Criadores Mais de 55% das inscrições são de estudantes do Sudeste, região com tradição no ensino de moda, e 2,4% são trabalhos do Norte. Na fase da semifinal regional, foram 64 trabalhos, e os 25 jurados, todos profissionais da área da moda, avaliaram os estudantes de suas respectivas regiões. No Centro-Oeste, Sudeste, Nordeste e Sul, foram 15 representantes cada, e o Norte teve quatro. Cada trabalho contou com a ajuda de um professor orientador. Ao todo, foram 169 docentes, sendo 122 mulheres e 47 homens. Confira abaixo os nomes dos finalistas por região Centro-Oeste Júlia Theophilo Dias de Lima, de Brasília/DF, do Instituto Federal de Brasília (IFB). Orientada pela professora Rafaela Felipe Asmar Lucas Fernando Rodrigues de Souza, de Goiânia/GO, da Universidade Salgado de Oliveira (Universo). Orientado pela professora Suely Moreira Borges Calafiori Nordeste Artur Leovegildo de Oliveira Batista, de Crato/CE, da Universidade Federal do Cariri (UFCA). Orientado pela professora Cleonisia Alves Rodrigues do Vale Natalia Ferreira de Souza Passos, de Salvador/BA, da Universidade Salvador (Unifacs). Orientada pelo professor Maurício Portela Norte Fernanda Marcele Bastos Pereira, de Belém/PA, da Faculdade Estácio do Pará (FAP). Orientada pela professora Clarisse Fonseca Chagas Jose Bruno Silva Sacramento, de Belém/PA, da Universidade da Amazônia (Unama). Orientado pelo professor Felícia Assmar Maia Sudeste João Paulo de Freitas, do Rio de Janeiro/RJ, da Universidade Anhembi Morumbi. Orientado pela professora Maria Fernanda Cintra Laura Diniz Ferreira de Oliveira e Yohanna de Oliveira Pereira, do Rio de Janeiro/RJ, da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). Orientada pelo professor Walvyker Alves de Souza Sul Maria Fernanda de Oliveira dos Santos e Queren Pereira dos Santos, de Curitiba/PR, da UniSenaiPR. Orientadas pela professora Amanda Calixto de Castro Vitoria Schneider Antunes, de Porto Alegre/RS, da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM-RS). Orientada pela professora Mariana Dourado Castro

Aberta a temporada para adesão ao programa ABR-LOG 2024-25
17 de Julho de 2024

Os terminais retroportuários já podem solicitar sua adesão ao programa Algodão Brasileiro Responsável para Terminais Retroportuários de Algodão, ABR-LOG. A iniciativa da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), em parceria com a Associação Nacional dos Exportadores de Algodão (Anea), faz parte do escopo do programa Cotton Brazil, de promoção da fibra brasileira no mercado internacional, que é fruto da parceria entre Abrapa, Anea e Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil). Cerca de 43% do volume exportado em 2023/2024 foi movimentado por terminais aprovados no programa. Para este ano comercial (2024/2025), a meta é que 50% do volume exportado seja estufado em terminais credenciados pelo programa. De acordo com o gestor de sustentabilidade da Abrapa, Fabio Carneiro, o ABR-LOG agrega valor ao algodão brasileiro, especialmente em relação à aparência dos fardos, além garantir o cumprimento de requisitos sociais e ambientais da cadeia produtiva. “Rasgos e sujeira podem causar contaminação do algodão, comprometendo o trabalho realizado no campo, nas unidades de beneficiamento e nos laboratórios brasileiros”, afirma. Certificação de qualidade O ABR-LOG é uma certificação de qualidade de operação, com requisitos sociais e ambientais, voltada para o elo responsável pelo recebimento dos fardos, armazenagem e estufagem de contêineres. Seu objetivo é promover a melhoria do processo de exportação do algodão. Podem aderir ao programa, de forma voluntária, todos os terminais retroportuários de algodão do Brasil, além de armazéns que realizam o transbordo da carga, e que estejam aptos para a operação de estufagem. Lançado em 2023, o programa enfatiza a padronização dos processos e a melhoria da conservação dos fardos de algodão, fortalecendo a competitividade brasileira. Nos últimos anos, o Brasil tem se destacado cada vez mais no mercado externo e, atualmente, é o líder mundial na exportação da fibra. Em 2024, 13 terminais foram convidados a participar do programa. Ao todo, seis deles já assinaram o termo de adesão ao ABR LOG, que é a primeira etapa para participação no programa. Ao assinarem o termo, os terminais declaram que estão cientes do regulamento da certificação para o período comercial 2024/2025, que descreve os direitos e deveres das instituições envolvidas no programa. A etapa seguinte é o agendamento da auditoria presencial, realizada por certificadoras de terceira parte, que checam o cumprimento dos critérios estabelecidos no Protocolo de Certificação do Terminal Retroportuário de Algodão. Nesta etapa, são verificados 12 itens de “conformidade mínima obrigatória”, de uma lista de avaliação/certificação composta de 127 itens. No período comercial 2024/2025, a empresa Control Union foi credenciada como a responsável pelas auditorias do programa. A primeira auditoria ocorreu em 08 de julho, no terminal S. Magalhães, no Guarujá (SP). As demais ocorrerão até dezembro deste ano. Sustentabilidade e critérios O ABR-LOG está fundamentado nos três pilares da sustentabilidade e em oito critérios: contrato de trabalho; proibição do trabalho infantil; proibição do trabalho análogo a escravo, indigno ou degradante; liberdade de associação sindical; proibição de discriminação de pessoas; segurança, saúde e meio ambiente do trabalho; desempenho ambiental; e boas práticas de estufagem. No ano passado, as primeiras empresas certificadas foram a S. Magalhães & Essemaga – que tiveram seus terminais de Alemoa e Guarujá chancelados pelo programa –, a Hipercon Terminais de Carga, de Santos, e a Louis Dreyfus Company (LDC), com terminal em Cubatão (SP). Posteriormente, também foram certificadas as empresas Brado, em Rondonópolis (MT), e a Tecon Salvador, na capital baiana. Todas as companhias passaram por auditoria de terceira parte, também realizada pela Control Union.

Aberta a temporada para adesão ao ABR-LOG, período comercial 2024/2025
16 de Julho de 2024

Os terminais retroportuários já podem solicitar sua adesão ao programa Algodão Brasileiro Responsável para Terminais Retroportuários de Algodão, ABR-LOG. A iniciativa da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), em parceria com a Associação Nacional dos Exportadores de Algodão (Anea), faz parte do escopo do programa Cotton Brazil, de promoção da fibra brasileira no mercado internacional, que é fruto da parceria entre Abrapa, Anea e Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil). Cerca de 43% do volume exportado em 2023/2024 foi movimentado por terminais aprovados no programa. Para este ano comercial (2024/2025), a meta é que 50% do volume exportado seja estufado em terminais credenciados pelo programa. De acordo com o gestor de sustentabilidade da Abrapa, Fabio Carneiro, o ABR-LOG agrega valor ao algodão brasileiro, especialmente em relação à aparência dos fardos, além garantir o cumprimento de requisitos sociais e ambientais da cadeia produtiva. “Rasgos e sujeira podem causar contaminação do algodão, comprometendo o trabalho realizado no campo, nas unidades de beneficiamento e nos laboratórios brasileiros”, afirma. O ABR-LOG é uma certificação de qualidade de operação, com requisitos sociais e ambientais, voltada para o elo responsável pelo recebimento dos fardos, armazenagem e estufagem de contêineres. Seu objetivo é promover a melhoria do processo de exportação do algodão. Podem aderir ao programa, de forma voluntária, todos os terminais retroportuários de algodão do Brasil, além de armazéns que realizam o transbordo da carga, e que estejam aptos para a operação de estufagem. Lançado em 2023, o programa enfatiza a padronização dos processos e a melhoria da conservação dos fardos de algodão, fortalecendo a competitividade brasileira. Nos últimos anos, o Brasil tem se destacado cada vez mais no mercado externo e, atualmente, é o líder mundial na exportação da fibra. Em 2024, 13 terminais foram convidados a participar do programa. Ao todo, seis deles já assinaram o termo de adesão ao ABR LOG, que é a primeira etapa para participação no programa. Ao assinarem o termo, os terminais declaram que estão cientes do regulamento da certificação para o período comercial 2024/2025, que descreve os direitos e deveres das instituições envolvidas no programa. A etapa seguinte é o agendamento da auditoria presencial, realizada por certificadoras de terceira parte, que checam o cumprimento dos critérios estabelecidos no Protocolo de Certificação do Terminal Retroportuário de Algodão. Nesta etapa, são verificados 12 itens de “conformidade mínima obrigatória”, de uma lista de avaliação/certificação composta de 127 itens. No período comercial 2024/2025, a empresa Control Union foi credenciada como a responsável pelas auditorias do programa. A primeira auditoria ocorreu em 08 de julho, no terminal S. Magalhães, no Guarujá/SP. As demais ocorrerão até dezembro deste ano. O ABR LOG está fundamentado nos três pilares da sustentabilidade e em oito critérios: contrato de trabalho; proibição do trabalho infantil; proibição do trabalho análogo a escravo, indigno ou degradante; liberdade de associação sindical; proibição de discriminação de pessoas; segurança, saúde e meio ambiente do trabalho; desempenho ambiental; e boas práticas de estufagem. No ano passado, as primeiras empresas certificadas foram a S. Magalhães & Essemaga – que tiveram seus terminais de Alemoa e Guarujá chancelados pelo programa –, a Hipercon Terminais de Carga, de Santos, e a Louis Dreyfus Company (LDC), com terminal em Cubatão/SP. Posteriormente, também foram certificadas as empresas Brado, em Rondonópolis/MT, e a Tecon Salvador, na capital baiana. Todas as companhias passaram por auditoria de terceira parte, também realizada pela Control Union.

Relatório de Safra - julho 2024
15 de Julho de 2024

O ronco das cotton pickers é música para os ouvidos de produtores, operadores e técnicos, nas fazendas de algodão do Brasil. A colheita da safra 2023/2024 acelera a cada dia, e a perspectiva é de alta produtividade, com volume recorde de produção. Até agora, tudo indica que também será uma safra de boa qualidade. Acompanhe, na edição de julho do Relatório de Safra da Abrapa, essas e outras notícias sobre este ciclo e um panorama sobre a indústria brasileira e os grandes players da commodity no mundo. Boa leitura! Documento completo no link Relatorio-de-Safra-–-julho-de-2024