Últimas notícias

Gráficas homologadas para impressão de etiquetas e lacres de mala SAI passam por auditoria surpresa
17 de Maio de 2024

De 14 a 16 de maio, a qualidade dos serviços prestados pelas três gráficas homologadas pela Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa) para a emissão de etiquetas e lacres do Sistema Abrapa de Identificação (SAI), safra 2023/2024, passou por nova avaliação. A Solprat, empresa encarregada do monitoramento do trabalho, realizou auditorias surpresas na Grif Rótulos e Etiquetas Adesivas, Indústria Gráfica Brasileira Ltda e Rótulos Prakolar Sato. O objetivo foi acompanhar o processo de produção em cada uma das gráficas. “Todas estão operando dentro das especificações e cumprindo as exigências necessárias”, avaliou Adolfo Chacon, consultor da Solprat. As auditorias são essenciais para garantir que todo o processo esteja alinhado com os padrões de qualidade e rastreabilidade estabelecidos pela entidade, assegurando a confiança e transparência na produção de algodão brasileiro. “Verificamos várias evidências em relação a ferramentas, documentos e certificações, além de avaliar a produção em si. Todas as empresas demonstraram estar receptivas às exigências e sugestões”, afirmou. As gráficas já estão em processo de impressão de lacres e etiquetas, que varia entre BOPP adesivo, vinil adesivo e vinil adesivo com ilhós. A qualidade das tags precisa estar garantida, pois possuem uma numeração única para assegurar a rastreabilidade do algodão brasileiro. O SAI entrou em operação, nesta safra, em 25 de março, e a Abrapa prevê a utilização de aproximadamente 17 milhões de etiquetas nesta temporada, considerando a produção estimada de 3,5 milhões de toneladas de algodão no Brasil. Implementado em 2004 como parte do pilar de rastreabilidade da entidade, o SAI desempenha um papel crucial no rastreamento do fardo de algodão, fornecendo informações detalhadas sobre a origem da produção, o produtor, certificações da fazenda, unidade de beneficiamento e qualidade do algodão, além dos resultados de HVI e laboratório de classificação.

Diálogo sobre agricultura sustentável reúne Abrapa e entidades em encontro da Bayer
17 de Maio de 2024

A Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), representada pelo diretor executivo Marcio Portocarrero, participou de uma reunião paralela ao Encontro de Cientistas Chefes Agrícolas do G20 (G20 – MACS), no dia 16 de maio, em Brasília. O evento proporcionou um diálogo entre as delegações sobre soluções baseadas na ciência para impulsionar a produtividade agrícola e mitigar as mudanças climáticas. O G20 é formado por representantes dos países com as maiores economias do mundo. “A cotonicultura brasileira está alinhada com o conceito de produção sustentável. Através da adoção de alta tecnologia, práticas para o uso eficiente da água, implementação de manejo integrado de pragas, preferência por bioinsumos em detrimento dos produtos químicos, além do cuidado com o meio ambiente e o respeito ao trabalhador, o Brasil se destaca como líder mundial na produção de algodão responsável", disse Portocarrero. Um dos destaques foi a apresentação da Iniciativa PRO Carbono, desenvolvida em parceria com a Embrapa, pela Bayer. Na ocasião, a presidente da Embrapa, Silvia Massruhá, ressaltou a importância do fortalecimento de iniciativas público privadas na busca de alternativas para a mudança da matriz produtiva do Brasil, com foco na mitigação dos impactos ambientais. Ela destacou o desenvolvimento de modelos de quantificação do carbono estocado no solo na agricultura tropical, incluindo a criação de uma calculadora da pegada de carbono. Geraldo Berger, chefe de assuntos regulatórios para a América Latina da Bayer, e Helga Flores Trejo, chefe de assuntos internacionais e multilaterais da empresa, afirmaram que vem trabalhando em conjunto com o governo brasileiro e diversas companhias e instituições privadas através da iniciativa PRO Carbono, no contexto do programa ABC - Agricultura de Baixo Carbono. O objetivo é promover o emprego de tecnologias no campo que garantam um balanço positivo, a partir do aumento do sequestro de carbono no solo. Ao mesmo tempo, o programa busca garantir o aumento da produtividade com rotação de culturas e estabelecer métodos que permitam a racionalização do uso de corretivos, sementes, fertilizantes, pesticidas e energia. O encontro reforçou a importância da colaboração entre o setor público, privado e academia para o desenvolvimento de soluções inovadoras para a agricultura brasileira.

Desafio Sou de Algodão + Casa de Criadores divulga lista de semifinalistas
17 de Maio de 2024

O Desafio Sou de Algodão + Casa de Criadores, concurso promovido pelo movimento Sou de Algodão e a Casa de Criadores, divulgou hoje, 17 de maio, os 64 selecionados para a semifinal. Agora, o concurso tem 15 representantes das regiões Sul, Sudeste, Nordeste e Centro Oeste, somando 60 trabalhos, e quatro da região Norte. Com estes resultados iniciais, os organizadores preveem uma final com dois representantes de cada localidade, totalizando 10 desfiles dos trabalhos que serão selecionados pelo júri regional. “Estamos muito felizes com os trabalhos selecionados para a semifinal, com representantes de várias localidades, de todo o Brasil, mostrando que o nosso algodão tem força. Esse projeto amplia as possibilidades na moda brasileira, dá oportunidade para novos nomes e reforça a versatilidade da nossa fibra”, explica Silmara Ferraresi, gestora do movimento Sou de Algodão. Seguindo os critérios de seleção, feita pela comissão organizadora, os trabalhos escolhidos atenderam os requisitos presentes no regulamento oficial. Os 51 trabalhos individuais e os 13 em dupla, serão avaliados por um júri convidado para cada uma das cinco regiões do País. Entre eles, estão estilistas, formadores de opinião e jornalistas de moda, como Maurício Duarte, Daniela Falcão, Gabriel Fusari, Mateus Barbosa, Sam Tavares, Rener Oliveira, Heloisa Strobel, Renata Brosina e Carol Hungria. Os finalistas irão apresentar seus trabalhos em desfile presencial na 55ª edição do evento Casa de Criadores, em novembro de 2024. “A união da Casa de Criadores com o Sou de Algodão tem se mostrado cada vez mais forte. Tivemos mais de 1.000 alunos envolvidos nos projetos inscritos, nesta edição do Desafio. Isso nos mostra que estamos no caminho certo, dando espaço para lançar novos talentos, além de possibilitar que estudantes de todo o Brasil tenham sua primeira oportunidade no concorrido universo da moda”, explica André Hidalgo, diretor da Casa de Criadores. A premiação  O grande vencedor do 3º Desafio Sou de Algodão + Casa de Criadores receberá um prêmio de R$ 30 mil, entrará para line-up oficial da Casa de Criadores e desfilará uma nova coleção na 56ª edição do evento, previsto para o primeiro semestre de 2025. O professor orientador desse trabalho também será reconhecido, com uma Bolsa Orientação, no valor de R$ 10 mil. O segundo e terceiro colocados também serão premiados. Eles ganharão 100 e 50 metros de tecido, respectivamente, fornecidos por tecelagens e malharias parceiras do movimento Sou de Algodão. Confira os nomes dos estudantes, cidades e universidades que passaram para a semifinal  Centro-Oeste  - Ana Paula Machado de Lara, de Goiânia (GO), Universidade Federal de Goiás (UFG) - Antonia Loiola Silva, de Rondonópolis (MT), Unicesumar - Baiflu Gonçalves Alencar, de Campo Grande (MS), Senac Hub Academy - Deusivan Martins de Araújo, de Goiânia (GO), Universidade Federal de Goiás (UFG) - Evelly dos Reis Vasconcelos, de Goiânia (GO), Universidade Salgado de Oliveira (Universo) - Hugo dos Reis Martins, de Goiânia (GO), Universidade Federal de Goiás (UFG) - Júlia Theophilo Dias de Lima, de Brasília (DF), Instituto Federal de Brasília (IFB) - Lucas Fernando Rodrigues de Souza, de Goiânia (GO), Universidade Salgado de Oliveira (Universo) - Lucas Freitas da Silva, de Brasília (DF), Instituto Federal de Brasília (IFB) - Lyss Lhoá Lima Marinho de Assis, de Brasília (DF), Instituto de Ensino Superior de Brasília (IESB) - Manoel Vítor Jesus dos Santos Cutrim, de Brasília (DF), Instituto Federal de Brasília (IFB) - Maria Letícia Amorim de Sous, de Brasília (DF), Instituto Federal de Brasília (IFB) - Maria Luiza Miranda Melo, de Brasília (DF), Instituto Federal de Brasília (IFB) - Thiago Pinheiro de Morais, de Goiânia (GO), Estácio de Sá - Vivian Filardi Moura Olinto, de Brasília (DF), Instituto de Ensino Superior de Brasília (IESB) Nordeste - Abner de Lima Monteiro, de Caicó (RN), Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN) - Artur Leovegildo de Oliveira Batista, de Juazeiro do Norte (CE), Universidade Federal do Cariri (UFCA) - Douglas Raphael da Silva Marques, de Piripiri (PI), Instituto Federal do Piauí (IFPI) - Gleice de Souza Braz, de Fortaleza (CE), Universidade Federal do Ceará (UFC) - Graziele Siqueira Gomes da Silva, de São Cristóvão (SE), Universidade Federal do Sergipe (UFS) - João Pedro de Lima, de Juazeiro do Norte (CE), Universidade Federal do Cariri (UFCA) - José Isaías da Silva Neto, de Cabedelo (PB), Instituto Federal da Paraíba (IFPB) - Leticia Zayanne de Sousa Rodrigues, de Juazeiro do Norte (CE), Universidade Federal do Cariri (UFCA) - Lysandra Vitoria da Silva Justino / Leonia Mirelly Profiria da Silva, de Caruaru (PE), Universidade Federal do Pernambuco (UFPE) - Matilde de Araújo Ferreira, de Teresina (PI), Universidade Federal do Piauí (UFPI) - Natalia Ferreira de Souza Passos, de Salvador (BA), Universidade Salvador (UNIFACS) - Ronald Oliveira Barbosa, de Salvador (BA), Universidade Salvador (UNIFACS) - Uênio Alves Dantas / Débora Lins de Medeiros Santos, de Caicó (RN), Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN) - Wendy Marina dos Santos Dias / Éveli Leticia da Silva, de Caruaru (PE), Universidade Federal do Pernambuco (UFPE) - Yasmin Rocha Américo de Souza / Luana do Vale Cavalcante, de Fortaleza (CE), Universidade Federal do Ceará (UFC) Norte - Ana Beatriz Mariano da Rocha de Oliveira / Thais de Carvalho Pinto, de Manaus (AM), Faculdade Santa Teresa - Fernanda Marcele Bastos Pereira, de Belém (PA), Faculdade Estácio do Pará - Jose Bruno Silva Sacramento, de Belém (PA), Universidade da Amazônia (Unama) - Ludimila Roni de Andrade Heringer, de Belém (PA), Universidade da Amazônia (Unama) Sudeste - Beatriz de Oliveira Azevedo, de São Paulo (SP), Centro Universitário Belas Artes de São Paulo - Bianca Hermogenes, de São Paulo (SP), Senac Lapa Faustolo - Fil Rodrigues, de Niterói (RJ), Universidade Veiga de Almeida (UVA) - Guilherme Paganini Nascimento, de São Paulo (SP), Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP) - João Paulo de Freitas, do Rio de Janeiro (RJ), Universidade Anhembi Morumbi - João Victor de Oliveira Pereira, de São Paulo (SP), Faculdade Santa Marcelina (FASM) - Juliana Mendes / Kamila Ferreira Araujo Vieira, de São Paulo (SP), Universidade Anhembi Morumbi - Laura Diniz Ferreira de Oliveira / Yohanna de Oliveira Pereira, do Rio de Janeiro (RJ), Pontifícia Universidade Católica (PUC-Rio) - Letícia Araujo Lopes / Beatriz Calado De Oliveira, de São Paulo (SP), Faculdade Santa Marcelina (FASM) - Rafael Hernandes Gosso Leite, de São Paulo (SP), Faculdade Santa Marcelina (FASM) - Raphaella Alves Dias, de Belo Horizonte (MG), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) - Rodrigo Rocha Rodrigues dos Santos, do Rio de Janeiro (RJ), Senai Cetiqt - Rubens Carvalho Silva / Gabrielle Di Pierro Blanco, de São Paulo (SP), Faculdade Santa Marcelina (FASM) - Sophia D'Almeida Couto Cravo, de São Paulo (SP), Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP) - Vítor Gabriel da Silva Félix, de Divinópolis (MG), Centro Federal de Educação Tecnológica (CEFET-MG) Sul  - Andeli de Castro Alves Pinto / Melissa Halmenshlager Lowenhaupt, de Porto Alegre (RS), Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) - Arthur Henrique de Souza Trindade, de Gaspar (SC), Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) - Edivan Pereira dos Santos, de Curitiba (PR), UniSenai-PR - Eduardo Reimann Steglich, de Santa Maria (RS), Universidade Franciscana - Guilherme Fraga Sosnowski / José Alberto Arnecke, de Porto Alegre (RS), Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos) - Isabela Aimê Santos de Sá, de Londrina (PR), Universidade Estadual de Londrina (UEL) - Luana Giacomin Galafassi, de Caxias do Sul (RS), Universidade de Caxias do Sul (UCS) - Lucas Longarini da Costa / Thiago Mioni de Godoi Vieira, de Londrina (PR), Universidade Estadual de Londrina (UEL) - Maria Fernanda de Oliveira dos Santos / Queren Pereira dos Santos, de Curitiba (PR), UniSenai-PR - Marilia Valmorbida De Cezaro, de Caxias do Sul (RS), Universidade de Caxias do Sul (UCS) - Maynara VilasBoas da Costa, de Cianorte (PR), Universidade Estadual de Maringá (UEM) - Rafael Abayomi Brito da Cruz, de Jaraguá do Sul (SC), Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) - Ranieri Paulo Bona, de Florianópolis (SC), Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) - Thaynê de Momi, de Caxias do Sul (RS), Universidade de Caxias do Sul (UCS) - Vitoria Schneider Antunes, de Porto Alegre (RS), Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) Sobre Sou de Algodão Movimento criado pela Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), em 2016, para despertar uma consciência coletiva em torno da moda e do consumo responsável. Para isso, a iniciativa une e valoriza os profissionais da cadeia produtiva e têxtil, dialogando com o consumidor final com ações, conteúdo e parcerias com marcas e empresas. Outro propósito é informar e democratizar o Algodão Brasileiro Responsável (ABR), que segue rigorosos critérios ambientais, sociais e econômicos e certifica 82% de toda a produção nacional de algodão. Abrace este movimento:  Site: www.soudealgodao.com.br Facebook, Instagram, Youtube, LinkedIn, Pinterest: @soudealgodao TikTok: @soudealgodao_

Boletim de Inteligência de Mercado Abrapa com as principais notícias do mundo do algodão
17 de Maio de 2024

Destaque da Semana - Apesar da recuperação das cotações nos últimos dias, o resultado semanal é negativo. Relatório baixista do USDA e o bom ritmo do plantio nos EUA estão entre as causas. As cotações são as mais baixas desde out/22. Algodão em NY - O contrato Jul/24 fechou nesta quinta 16/05 cotado a 76,24 U$c/lp (-3,0% na semana). O contrato Dez/24 fechou 75,19 U$c/lp (-1,7% na semana) e o Dez/25 a 74,71 U$c/lp (-0,5% na semana). Basis Ásia - O Basis médio do algodão brasileiro posto Leste da Ásia é de 796 pts para embarque em Out/Nov-24 (Middling 1-1/8" (31-3-36), fonte Cotlook 16/05/24). Altistas 1 - Analistas acreditam que o mercado está supervendido e não há prêmio climático na nova safra. Altistas 2 - As cotações do petróleo subiram, impulsionados por inflação mais lenta do que o esperado e pela estabilização do mercado de trabalho dos EUA. Preços mais elevados do petróleo tornam o poliéster (substituto do algodão) mais caro. Baixistas 1 - O relatório de oferta e demanda do USDA de 10/05 trouxe estoques absolutos maiores para EUA e mundo. Mas mundialmente a relação estoque/uso manteve-se em 71%, enquanto nos EUA subiu de 17% para 25%. Baixistas 2 - O bom andamento do plantio de algodão nos EUA está contribuindo para o sentimento de baixa, com o último relatório indicando que 33% da safra foi plantada, superando a média de cinco anos de 31%. Plantio 1 - A safra avança em estados norte-americanos como Califórnia e Arizona, mas regiões do Texas e o Sudeste enfrentam tempestades, inundações e solo seco – o que pode gerar atraso no plantio. Plantio 2 - Na Índia, cerca de 30% da área irrigada no norte já foi semeada, um pouco atrasada em relação à média habitual. No Paquistão, a previsão é de área menor na região de Punjab (que responde por 70% da produção). Oferta e Demanda - O último relatório de Oferta e Demanda do USDA previu a produção mundial de algodão em 25,92 milhões tons na safra 2024/25. O consumo foi projetado em 25,43 milhões tons e a exportação em 9,79 milhões tons. EUA 1 - Os números mais recentes do USDA indicam que os EUA produzirão 3,48 milhões tons de algodão em 2024/25 e consumirão 413,6 mil tons. A exportação foi prevista em 2,83 milhões tons. EUA 2 - O governo dos EUA listou 22 novas entidades comerciais chinesas proibidas de exportar algodão para o país. Mesmo localizadas fora de Xinjiang, foram enquadradas na Lei de Prevenção do Trabalho Forçado em Uigur. China 1 - 46% das fiações chinesas operaram com 90% de sua capacidade ou mais em abr/24, conforme o Beijing Cotton Outlook (BCO). A pesquisa indicou também que 56% observaram redução no consumo de algodão. China 2 - Dados atualizados do BCO indicam que em 2024/25 a área de algodão será de cerca de 2,65 milhões hectares, com produção reduzida para 5,82 milhões tons. A importação foi projetada em 1,9 milhão tons. Austrália 1 - Com a previsão de clima seco nos próximos dias, os produtores australianos esperam reiniciar a colheita que havia parado com as chuvas. Há sinais indicando retorno do fenômeno La Niña ainda neste ano. Austrália 2 - De acordo com a Australian Cotton Shippers Association (ACSA), cerca de 35% da área já foi colhida e em torno de 10% beneficiada. A estimativa é de produção de cerca de 1,1 milhão de toneladas na safra 2024. Vietnã 1 - Em abril, os vietnamitas importaram 132.859 tons – volume superior a mar/24 e a abr/23. Os EUA forneceram 40%, o Brasil 30% e a Austrália 9% desse total.  Vietnã 2 - Já no acumulado de ago/23 a abr/24, a importação soma 1,08 milhão tons, marca 7% maior que o mesmo período de 2022/23. Nesses nove meses, a Austrália respondeu por cerca de 35% do total. Missão Egito-Turquia 1 - Reconhecido pela qualidade de sua pluma, o Egito pode contar com o Brasil para suprir sua indústria têxtil. Essa foi a mensagem central levada pela Abrapa ao país durante a Missão Egito-Turquia. Missão Egito-Turquia 2 - O intercâmbio termina neste final de semana e começou pelo Egito, que passou a importar a pluma brasileira em jan/23. O seminário Cotton Brazil Outlook no Cairo reuniu mais de 60 empresários e investidores. Missão Egito-Turquia 3 - Além disso, a comitiva de 12 brasileiros reuniu-se com organizações públicas e privadas do setor e visitou a primeira fiação a importar algodão do Brasil. O comércio com o Egito começou em jan/23. Missão Egito-Turquia 4 - Já a Turquia, quarto maior importador de algodão brasileiro, recebeu uma edição do Cotton Brazil Outlook na cidade de Antalya. A missão foi realizada pelo Cotton Brazil, parceria entre Abrapa, Anea e Apex-Brasil. Safra Brasil - A Conab atualizou a estimativa para a safra 2023/2024 de algodão nesta semana. Agora, a projeção é uma safra de 3,6 milhões de toneladas – volume recorde no País e 1,2% superior à estimativa publicada em abr/24. Exportações - O Brasil exportou 101,7 mil tons de algodão até a 2ª semana de mai/24. A média diária de embarque é 5,3 vezes maior em comparação com mai/23. Colheita 2023/24 - Até ontem (16/05), foram colhidos no estado do PR 70% e em SP 38%. Estima-se que os demais estados iniciem a colheita em meados de Junho. Total Brasil: 0,28%. Preços - Consulte tabela abaixo ⬇ Quadro de cotações para 16-05 Este boletim é produzido pelo Cotton Brazil, iniciativa que representa a cadeia produtiva do algodão brasileiro em escala global. Contato: cottonbrazil@cottonbrazil.com

Com inscrições abertas, o 14º Congresso Brasileiro do Algodão (14º CBA) segue em ritmo acelerado
16 de Maio de 2024

Estão abertas as inscrições para o 14º Congresso Brasileiro do Algodão (14ºCBA), o maior evento da cotonicultura no Brasil. Com o tema “Construindo história rumo ao protagonismo mundial”, a décima quarta edição celebra os 25 anos da Abrapa e da retomada da cotonicultura no Brasil, unindo olhar futurista, muitas inovações e retrospectiva, na busca de soluções sustentáveis para os desafios de levar o algodão brasileiro ao topo do ranking na preferência da indústria global. Este ano, a expectativa da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa) é de que o congresso supere, mais uma vez, a marca de três mil participantes, de todos os elos da cadeia produtiva e da comunidade científica. O congresso será realizado entre os dias 03 e 05 de setembro de 2024, no Centro de Eventos do Ceará, em Fortaleza/CE. Os interessados devem se inscrever pelo site www.congressodoalgodao.com.br. De acordo com o presidente da Abrapa, Alexandre Schenkel, a adesão está acelerada. “A cotonicultura brasileira vive um momento muito especial: a produção prevista para essa safra é recorde e o produto vem ganhando cada vez mais penetração no mundo. O produtor e seus times técnicos e de comercialização estão ávidos por informações, para aproveitar ao máximo todas as possibilidades para maximizar suas operações”, acrescenta Schenkel. Ainda segundo o presidente, o 14ºCBA é onde o cotonicultor vai encontrar tudo o que precisa e ainda fazer relacionamentos e, quem sabe, negócios, durante três dias de imersão profunda. Inovação A grande inovação desta edição do CBA será no formato e na dinâmica da programação, que agora conta com palestras silenciosas, substituindo as antigas “salas temáticas”. Isso otimiza o espaço e, também, a agenda dos participantes à tarde. Durante as manhãs, as palestras “máster” seguem no formato tradicional, na arena. Serão 19 temas distribuídos em duas tardes. Os assuntos serão debatidos em seis hubs dispostos, simultaneamente, em um espaço hexagonal. O público participa das apresentações com fones de ouvido, e tem a flexibilidade de poder migrar entre os hubs, conforme o interesse no tema, sem precisar definir previamente as palestras de preferência. De acordo com a diretora de relações institucionais da Abrapa e gestora do CBA, Silmara Ferraresi, as novidades “são uma prova de que o 14º CBA evoluiu, sem perder a sua essência. É por isso que a cotonicultura brasileira, a cada dois anos, se encontra neste grandioso evento”, finaliza Silmara.

Preparativos para o 14º CBA avançam na capital cearense
16 de Maio de 2024

A contagem regressiva para o maior evento da cotonicultura brasileira já começou e os preparativos para o 14º Congresso Brasileiro do Algodão (14º CBA) estão em pleno andamento. Entre os dias 13 e 15 de maio, a equipe da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), organizadora do evento, esteve em Fortaleza, capital do Ceará, para uma visita técnica e uma série de reuniões estratégicas com fornecedores. O objetivo foi selecionar empresas prestadoras de serviços e acompanhar o andamento das atividades, já que o evento acontecerá entre os dias 03 e 05 de setembro. “Durante três dias intensos, realizamos em uma série de atividades operacionais. Entrevistamos empresas de prestação de serviços, abrangendo desde receptivo até buffet, segurança, mobiliário, fotografia e filmagem e transporte. Nosso foco foi selecionar as opções mais assertivas, priorizando a qualidade e valorizando os empresários locais", detalhou Silmara Ferraresi, diretora de relações institucionais da Abrapa e gestora do 14º CBA. A equipe se dedicou também a uma revisão de medição no espaço do Centro de Eventos do Ceará (CEC), que comportará o Congresso.  Uma das novidades deste ano é a dinâmica das palestras, que serão realizadas de forma simultânea na arena, com transmissão silenciosa. As sessões temáticas, previstas para as tardes dos dois primeiros dias, serão divididas em seis hubs, oferecendo uma variedade de 19 conteúdos técnicos para os participantes. A expectativa é atrair um público recorde de mais de 3 mil pessoas. A área de exposição, com 7 mil metros quadrados, já teve todos os espaços comercializados. A equipe também visitou o Hotel Seara, local que hospedará tanto os palestrantes quanto a comissão organizadora. A diretora da Abrapa encontrou-se ainda com Ivana Bezerra, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Ceará (ABIH – CE), consolidando parcerias e garantindo a qualidade da experiência dos participantes. O último dia da visita foi o momento de aprovar o cardápio da alimentação que será servida no evento, a equipe fez questão de incluir pratos típicos da região. Com uma programação diversificada e repleta de novidades, o 14º CBA promete ser um marco na história do setor, fortalecendo ainda mais a cadeia produtiva do algodão no Brasil.

Sistemas Abrapa